domingo, maio 15, 2005

Cármen Dolores sai dos palcos com Ordem Infante D. Henrique

Cármen Dolores foi hoje condecorada pelo Presidente da República com a Ordem Infante D. Henrique, após a representação, em Lisboa, de “Copenhaga”, peça com a qual põe fim à sua carreira teatral.

A actriz agradeceu ao público que assistiu à última representação da peça a condecoração com o grau de Grande Oficial afirmando ser também “para todos os artistas, para a personagem Margrethe”, que interpretou e para os seus colegas.

A Ordem do Infante D. Henrique é atribuída pelo presidente da República por serviços prestados “na expansão da cultura portuguesa, sua história e seus valores”, de acordo com a informação sobre as Ordens Honoríficas Portuguesas, disponibilizada no site da Presidência da República.

Aos 81 anos, Cármen Dolores comemora este ano 60 anos de carreira teatral e a peça “Copenhaga”, estreada em Abril de 2003 no Teatro Aberto, marcou o regresso da actriz aos palcos.

Com uma preocupação constante por não “repetir a personagem anterior”, apontada como um dos motivos para não querer voltar aos palcos, em entrevista à Lusa em Março, Cármen Dolores afirma: “Vou parar por aqui. Neste momento é isto que eu penso mas não sabemos”.
Fonte: http://www.lusa.pt

Carta Mundial das Mulheres a caminho de Portugal

A Carta Mundial das Mulheres para a Humanidade, que exige o respeito pelos e direitos e liberdades e condena a exploração, a intolerância e as exclusões, está a percorrer 53 países e é recebida hoje em Portugal.

A Carta é acompanhada de uma Manta de Solidariedade, feita de pedaços de tecidos oferecidos por cada país, representando os valores defendidos pela missiva.

O quadrado de tecido português que será cosido à Manta é da autoria da estilista Ana Salazar.

A iniciativa da Carta e da Manta começou no Dia internacional da Mulher (a 08 de Março) em S. Paulo, no Brasil e terminará a 17 de Outubro, no Burkina Faso.

A Carta foi adoptada em Kigali, no Ruanda, em Dezembro de 2004, pelas delegadas da “Marcha Mundial das Mulheres”, uma rede mundial de acções feministas que integra 5.500 grupos que lutam para a eliminação da pobreza e da violência contra as mulheres.

O documento apresenta 31 sugestões para um mundo melhor, baseado na Igualdade, Liberdade, Solidariedade, Justiça e Paz, e o seu conteúdo é difundido por mulheres de cada país por onde passa.

A Carta e a Manta estarão em Portugal de 15 a 19 de Maio.

Este documento explica que a Marcha Mundial das Mulheres “identifica o patriarcado como sistema de opressão das mulheres e o capitalismo como sistema de exploração de uma imensa maioria de mulheres e homens por uma minoria”, afirma Sandra Silvestre, da direcção da organização não governamental (ONG) Acção para a Justiça e a Paz (AJP).

“A Carta é obviamente uma exigência política de um mundo diferente”, sublinha Sandra Silvestre.

Fonte: www.lusa.pt

Vencedora do Prémio Camões integra colectânea de contos luso-brasileira

Lygia Fagundes Telles participa na antologia de contos eróticos “Intimidades”, que visa dar a conhecer a literatura contemporânea de língua portuguesa em Portugal e no Brasil.

Luísa Coelho, a investigadora que assina o prefácio desta obra, escreve que “o conto está a ser recuperado e é muito apetecível devido ao seu carácter conciso”.

A autoria exclusivamente feminina deve-se, segundo a investigadora, ao facto de ser “nesse domínio que a divulgação é menor e portanto o desconhecimento mútuo [ de portugueses e brasileiros] é maior”.

Lídia Jorge, Maria Teresa Horta, Inês Pedrosa, Teolinda Gersão e Rita Ferro são as cinco autoras portuguesas seleccionadas para integrar esta antologia.

No leque das escritoras brasileiras que participam nesta colectânea constam Lygia Fagundes Telles Ana Miranda, Nélida Piñon, Guiomar de Grammont e Brance Maria de Paula.

A escolha o erotismo como tema central da antologia é justificada por Luísa Coelho “por se encontrar no centro de toda a problemática da arte”.

O conto de Lygia Fagundes Telles, escolhido para integrar a obra, intitula-se “Apenas um Saxofone” e relaciona o prazer e o desejo com transgressão.

Fonte: www.lusa.pt

Lygia Fagundes Telles galardoada com Prémio Camões

A escritora brasileira Lygia Fagundes Telles tornou-se na passada Sexta-feira, dia 13, a quinta mulher a vencer o Prémio Camões, o mais importante galardão literário de língua portuguesa.

Eleita por unanimidade pelo júri do galardão, a escritora receberá o Prémio no dia 10 de Junho, em Portugal.

José Saramago, Nobel da Literatura e laureado com o Prémio Camões em 1995, afirmou ter sentido “grande satisfação” com a atribuição deste prémio à autora brasileira, pois considera-a “uma grande contista e romancista da língua portuguesa”. “É uma mulher absolutamente fora do comum e com uma elegância de espírito fora do vulgar”, disse o escritor português.

José Saramago sublinhou ainda a importância deste prémio que “une, sob o olhar de Camões, romancistas, ensaístas e poetas do mundo que fala, pensa e escreve em português”.

O presidente da República, Jorge Sampaio, felicitou a escritora brasileira por ter vencido “o mais alto símbolo da Comunidade Lusófona” e expressou “grande admiração” pela obra de Lygia Fagundes Telles, num telegrama enviado à escritora. “É uma obra que enriquece e prestigia a língua quie nos é comum”, escreveu o Chefe de Estado.

Isabel Pires de Lima, ministra portuguesa da Cultura, destacou a premiada como “uma das grandes conquistas da língua portuguesa no séc. XX” e “uma das grandes escritoras brasileiras”.

Lygia Fagundes Telles é autora de 17 livros, entre contos e romances, dois dos quais foram editados em Portugal – “A disciplina do Amor” e “A noite mais escura e eu”. O seu primeiro romance, “Ciranda de Pedra”, foi já adaptado para novela e transmitido na televisão portuguesa.

O Prémio Camões, no valor de 100 mil euros, foi instituído em 1988 pelos governos de Portugal e Brasil e visa distinguir, anualmente, um escritor cuja obra tenha contribuído para o enriquecimento dos patrimónios cultural e literário em português.

Este galardão foi já atribuído a Miguel Torga (1989), João Cabral de Melo Neto (1990), José Craveirinha (1991), Vergílio Ferreira (1992), Rachel Queiroz (1993), Jorge Amado (1994), José Saramago (1995), Eduardo Lourenço (1996), Pepetela (1997) e António Cândido de Mello e Souza (1998).

A lista dos premiados inclui ainda os escritores Sophia de Melhho Breyner Andresen (1999(, Autran Dourado (2000), Eugénio de Andrade (2001), Maria Velho da Costa (2002) e Rubem Fonseca (2003).

A vencedora do Prémio Camões 2004 foi a escritora portuguesa Agustina Bessa- Luís, que integrou o jurí da 17ª edição deste prémio.

Fonte: www.lusa.pt

quinta-feira, maio 12, 2005

Algarve Ladies Open integra circuito europeu

O Algarve Ladies Open de Portugal vai integrar o calendário de torneios de 2005 do Robe di Kappa Ladies European Tour (Circuito Feminino europeu de golfe profissional). A notícia foi avançada pela entidade organizadora na passada terça-feira.

O torneio decorrerá entre 24 e 26 de Junho, no Gramacho Pestana Golf Resort, no Carvoeiro (Algarve) e será disputado em 54 buracos (3 voltas).

O evento resulta de uma organização conjunta do Instituto do Turismo de Portugal (ITP) e da Solverde-Sociedade de Investimentos Turísticos da Costa Verde (Grupo Solverde) e visa consolidar Portugal como um destino de golfe.

Madalena Torres, vice-presidente do Instituto do Turismo de Portugal, acredita que "o Algarve Ladies Open de Portugal vai contribuir para que Portugal seja o melhor destino golfe da Europa", afirmando que "após o sucesso do Euro2004, Portugal empenhou-se em trazer mais eventos desportivos de primeiro nível a todo o país".

Fonte: www.rtp.pt
www.dn.pt

terça-feira, maio 03, 2005

Tenista checa vence Estoril Open

Lucie Safarova, de 18 anos, venceu, no passado domingo, o Estoril Open. Naquela que foi a sua segunda participação no circuito WTA (Women's Tennis Association), Lucie Safarova tornou-se na primeira tenista proveniente da qualificação a ganhar o torneio feminino.

A tenista checa venceu a chinesa Na Li em três sets, pelos parciais 6-7 (4-7), 6-4 e 6-3, numa partida que durou cerca de duas horas.

Com esta vitória, Lucie Safarova que ocupava o 155º lugar do ranking do circuito WTA, ascendeu à 105ª posição, alcançando a sua melhor classificação desde que integrou o circuito (em 1999).

Fonte: www.sic.pt
www.rtp.pt

quinta-feira, abril 28, 2005

Patrícia Portela distinguida com Prémio ACARTE

A jovem artista Patrícia Portela foi distinguida com o Prémio ACARTE/Madalena Azeredo Perdigão, pela sua instalação-espectáculo "Flatland I - Para cima e não para Norte". O Prémio do Centro de Arte Moderna será entregue hoje, na Fundação Calouste Gulenkian, em Lisboa.

O júri, composto por António Caldeira Pires, Cristina Grande, Miguel Honrado e Mónica Guerreiro, destaca a "ousadia" e a "originalidade" da obra de Patrícia Portela, referindo que esta "sintetiza exemplarmente a vocação e o espírito" do prémio; e sublinha a "subversão de métodos de fabricação do espectáculo".

A instalação-espectáculo de Patrícia Portela estreou em Novembro do ano passado no V Festival Internacional de Multimédia, Filme e Música de Lisboa.

O prémio ACARTE/Madalena Azeredo Perdigão, criado em 1990, destina-se (segundo a Fundação Calouste Gulbenkian) a "distinguir artistas do campo ds artes do espectáculo, autores de obras originais e em sintonia com o seu tempo".

Fonte: www.rtp.pt
http://dn.sapo.pt/

quarta-feira, abril 20, 2005

Mulheres do Kuwait vão poder votar e ser eleitas

Os deputados do Parlamento do Kuwait concordaram acerca da elaboração de um projecto de lei que dê o direito de voto às mulheres e as torne elegíveis, a partir, já, das próximas eleições.

A legislação foi aprovada em Outubro de 2003, com 26 votos a favor, 20 contra e 3 abstenções. De entre os votos contra, contaram-se os dos deputados tribais e islamistas, que se opõem aos direitos políticos das mulheres.

A última votação decorrerá dentro das duas próximas semanas, num parlamento composto por 50 deputados eleitos e mais 15 membros do Governo, também com direito de voto.

A igualdade entre os sexos está constitucionalmente prevista no Kuwait mas, no que se refere à lei eleitoral, o direito de voto abrange apenas os homens.

Em 1999, o emir árabe havia já promulgado um decreto sobre o direito de voto e a elegibilidade das mulheres, documento posteriormente aprovado pelo Governo mas rejeitado pelo Parlamento.


fonte: http://www.publico.pt

Francisca Turpin eleita presidente da União Patriótica Guineense

Francisca Vaz Turpin foi eleita, no passado dia 18, presidente do UPG (União Patriótica Guineense), legalizado pelo Supremo Tribunal de Justiça da Guiné- Bissau a 29 de Novembro de 2004.

Nascida a 4 de Outubro de 1952, a presidente da UPG, nacionalista, ex-presa política durante os primeiros anos da independência, desempenhou vários cargos na administração do Estado e no governo, tendo também já sido presidente da Câmara de Bissau e ministra conselheira para os Assuntos Políticos e Diplomáticos do ex-presidente Kumba Ialá.

Eleita por unanimidade, de um conjunto de 560 delegrados provenientes de todo o país, Zinha Vaz (como é conhecida localmente) apresenta os objectivos do partido: a concretização de uma mobilização nacional generalizada e revalorização dos líderes naturais para a “promoção e reconquista do patriotismo e da sabedoria”.

"Sentimos a falta de patriotas no verdadeiro sentido da palavra, imbuídos de patriotismo, libertos do gérmen da corrupção, nepotismo, laxismo, mentira, intriga traição e egoísmo", frisa. Por esta razão, a UPG focalizará a sua estratégia política na luta democrática pelo poder para que, no exercício da governação, possa levar por diante um programa nacional de desenvolvimento acelerado.

Zinha Vaz é, hoje, a segunda mulher à frente de um partido político na Guiné-Bissau, após Antonieta Rosa Gomes, que criou em 1994, o Fórum Cívico Guineense/Social-Democracia (FCG/SD) e se candidatou às presidenciais de 1994 e 1999.


fonte: http://www.lusa.pt

Escolarização feminina revela progressos

Segundo um relatório da UNICEF, publicado na passada segunda-feira, a escolarização das raparigas tem vindo a progredir em todo o mundo. E, apesar de certas zonas revelarem alguns atrasos, a diferença entre rapazes e raparigas diminuiu, no que respeita ao nível de escolarização.

Este estudo, intitulado "Progresso para as crianças", faz o balanço da escolarização primária e secundária das crianças no mundo, atendendo a dois objectivos da ONU: combater o hiato entre os sexos em matéria de escolarização durante o presente ano; e garantir que até 2015 todas as crianças tenham uma educação primária completa (sendo a paridade entre os sexos uma etapa indispensável para atingir esta meta). Calcula-se que cerca de 100 milhões de crianças, apesar de estarem em idade escolar, não frequentam a escola.

A UNICEF reconhece alguns avanços que considera "impressionantes" quanto "à presença das raparigas na escola primária", uma vez que “a escolarização das raparigas progrediu mais do que a dos rapazes em todas as regiões e na maior parte dos países em desenvolvimento”. Contudo, as regiões do Médio Oriente, Norte de África, sul da Ásia e África ocidental e central revelam retardamentos no que respeita à escolarização das raparigas.

Na perspectiva da directora geral da UNICEF, Carol Bellamy, “a educação é mais do que a aprendizagem”, sendo que "uma rapariga não escolarizada correrá mais riscos de se tornar uma presa do HIV/Sida e terá mais dificuldades em manter a sua família em boa saúde, por exemplo”. Isto sem contar que nos países em desenvolvimento três quartos das crianças que abandonaram a escola são filhos de mulheres que nunca a frequentaram.

A UNICEF enumera alguns obstáculos a este processo, entre os quais: a probeza, a prevalência do HIV/Sida, os conflitos civis, o trabalho infantil, o tráfico de crianças e as catástrofes naturais.

Fonte: Sic Online (http://sic.sapo.pt/)

terça-feira, abril 12, 2005

Mães portuguesas são das que mais trabalham

Segundo um estudo do Instituto Europeu de Estatística (Eurostat), as mulheres portuguesas com filhos são, a nível europeu, das que mais trabalham fora de casa.

Apenas sete por cento das mulheres consegue optar pelo trabalho em "part-time", um número abaixo da média europeia (22 por cento).

A percentagem de portuguesas que, com filhos menores de 12 anos, conciliam a maternidade com a vida profissional é de cerca de 76 por cento (a média da União Europeia ronda os 75 por cento).

Portugal posiciona-se em quarto lugar, sendo precedido pela Eslovénia, Dinamarca e Lituânia.

domingo, abril 10, 2005

Julieta Estrela convidada especial do Festival Éclats de Voix

A fadista portuguesa é a convidada especial do Festival Éclats de Voix, em Auch (Sudoeste de França), no qual Portugal participa este ano pela primeira vez.

O convite para participar no festival, cujo tema é a “atitude romântica” surgiu de “forma surpreendente”, revelou a fadista à agência Lusa. “Foram uns musicólogos que estiveram em Lisboa há dois anos, ouviram-me, gostaram, e este ano surgiu de forma surpreendente o convite”, explicou Julieta Estrela.

Entusiasmada, a fadista confessa “o mais interessante é que não se trata apenas de ir cantar mas integrar o fado num ciclo sobre o romantismo, período em que o fado surge como forma musical autónoma em Lisboa”.

Além da fadista, participam Paulo Silva (guitarra), André Ramos (Viola) e Daniel Gouveia que cantará e exemplificará as acentuadas diferenças fadistas, inserindo o fado no movimento cultural do romantismo do século XIX.

O Festival Éclats de Voix, a realizar entre o dia 03 e 12 de Junho, “dedica especial atenção à voz como instrumento musical, daí a importância que assumem as músicas onde a participação vocal tem maior ênfase, como acontece com o fado”, explicou Catherine Kauffmann- Saint- Marin, responsável pela organização do evento.

Julieta Estrela, cuja presença está agendada para dia 10 de Junho, irá interpretar, entre outros temas, “Ser fadista” (João Nobre/ Rogério Bracinha), “Zé Pescador” (Tiago Torres da Silva/ Jaime Santos) e “As duas glórias” (João da Mata).


Fonte: www.lusa.pt

Prémio Fotojornalismo Visão/BES atribuído a Sandra Rocha

Sandra Rocha, repórter da agência Kameraphoto, venceu a quinta edição do Prémio Fotojornalismo Visão/BES, pela fotografia de uma criança vestida de anjo, tirada em Braga durante o Euro 2004.

A fotografia, considerada pelo júri representação de “amor e esperança”, distingui-se também na categoria “Vida Quotidiana”, rendendo à repórter um prémio de 15 mil euros.

Nelson Garrrido, fotógrafo do Jornal Público, notabilizou-se nas categorias de Reportagem, Notícias e Desporto.

“A qualidade dos fotógrafos, por não copiarem estilos e por serem independentes”, impressionou um dos membros do júri, Ian Berry, fotógrafo da agência Magnum.

A cerimónia de entrega dos prémios decorreu em Lisboa, na passada Sexta-feira.

O 5º Prémio Fotojornalismo Visão/BES será exposto em Setembro no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, em simultâneo com a exposição World Press Photo

Fonte: www.lusa.pt

Katia Guerreiro convidada para participar no novo CD de Martinho da Vila

A fadista portuguesa Katia Guerreiro foi convidada por Martinho da Vila para participar no seu novo álbum “Brasilatinidade”, a editar segunda-feira pela Som Livre.

Além da fadista que interpretará, ao lado de Martinho da Vila, o tema “Dar e Receber”, o disco conta com a participação de Nana Mouskouri, Rosário Flores e Mafalda Minnozzi, que cantam temas do seu repertório adaptadas pelo músico brasileiro.

“Brasilatinidade” surge na sequência do trabalho de pesquisa no universo da música latina, desenvolvido pelo cantor, na última década.

Martinho da Vila visitou diversos países, nomeadamente Portugal, França, Itália, Espanha e Roménia, onde ouviu música local “para entrar no clima musical”.

Ciranda, frevo, côco, samba de roda, capoeira, bossa nova, calango, samba-enredo e toada são alguns dos ritmos brasileiros que se destacam no universo musical de criação do cantor brasileiro que, em 2000, reuniu músicas de todos os países de língua portuguesa no álbum “Lusofonia”.


Fonte: www.lusa.pt

quarta-feira, abril 06, 2005

CONVITE - Apresentação do livro "Nos Bastidores de Hollywood" de Mário Augusto

“O jornalista Mário Augusto (SIC) que há duas décadas integra um grupo de profissionais que convivem de perto com o mundo do cinema, estará em Braga, no próximo dia 8 de Abril (sexta-feira), para apresentar o livro da sua autoria intitulado “Nos bastidores de Hollywood – histórias e segredos das estrelas de cinema”.
Neste âmbito, o 3º ano da Licenciatura em Comunicação Social tem a honra de convidar V. Exa. para este evento, que terá lugar pelas 21h30, no Museu Nogueira da Silva (Avenida Central, nº 100, Braga).
A obra será apresentada por Maria Gabriela Gama, docente da disciplina de Teoria e Métodos de Relações Públicas do Departamento de Ciências de Comunicação Social da Universidade do Minho.
Os direitos de autor revertem na íntegra para a Fundação do Gil que, deste modo, ajudará associações nacionais de apoio a doentes com paralisia cerebral.”
.

terça-feira, abril 05, 2005

Sofia Pinto Coelho lança livro

Sofia Pinto Coelho, jornalista da SIC, lançou um livro onde aborda a relação entre os media e a justiça. "Jornalistas e Tribunais" foi lançado no passado dia 31 de Março, em Lisboa.

Esta obra, resultado de uma longa investigação e análise, é "uma compilação do que é que pode acontecer neste caminho que implica fazer a cobertura de actos criminais", afirma a própria.

A jornalista pretende mostrar que nem sempre é fácil conciliar as fronteiras do direito à imagem e à vida privada, com a liberdade de imprensa e o direito à informação.

"Há uma relação muito difícil entre os tribunais, a justiça e os media", considera Alcides Vieira, director de informação da SIC.

Sofia Pinto Coelho, licenciada em Direito e especializada em temas judiciais, iniciou a sua carreira jornalística no Expresso, em 1987. Actualmente, apresenta o programa "Falar Direito" na SIC Notícias.

Fonte: SIC (online)

quinta-feira, março 31, 2005

Terri Schiavo - o fim de um caso polémico

Terri Schiavo, que se encontrava em coma irreversível há cerca de quinze anos, morreu hoje. A norte-americana, de 41 anos, sofreu um ataque vascular cerebral em Fevereiro de 1990 e, desde então, entrou em coma, num estado vegetativo.

Bob e Mary Schindler, pais de Terri, consideram que a sua morte é injusta, pois não existe uma prova concreta da sua vontade em morrer. Por outro lado, Michael Schiavo sustenta que a mulher lhe tinha afirmado que não queria continuar a viver no estado actual.

Michael Schiavo, marido e tutor legal de Terri, pediu ao tribunal que lhe fosse retirada a alimentação artificial, para que ela pudesse morrer em paz e sem sofrimento. Esta petição do marido foi contra a vontade dos pais, que ao longo do último mês, apresentaram vários recursos, todos recusados sempre pelo Supremo Tribunal de Justiça dos Estados Unidos. As máquinas foram desligadas no passado dia 18 de Março.

Até há bem pouco tempo, os tribunais recusavam-se a apreciar o caso, mas a situação alterou-se quando o Congresso aprovou uma lei lei que lhes permitisse recorrer nos tribunais federais.

Este caso, que dura há sete anos, esteve sempre envolto em polémica, e conduziu à intervenção do próprio presidente, George W. Bush.

Fonte: Sic (online)

quarta-feira, março 30, 2005

Rosa Mota na Agência Mundial Antidopagem


A ex-atleta, medalha de ouro da maratona nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1998, foi nomeada, no passado dia 24, para integrar a Comissão de Atletas da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

Para Rosa Mota esta nomeação foi uma honra, na medida em que pode, agora, contribuir para um “desporto mais verdadeiro”, “mais limpo e igual”. “Ganhei sempre aquilo que quis e quando perdi nunca desconfiei que as minhas adversárias estivessem dopadas. (…) Tenho confiança que este jogo do ‘gato e do rato’ termine, nomeadamente, pelos atletas que possam ser feitos”.

O “‘doping’ é mau para a saúde, mas o pior é porque ao usá-lo se engana o adversário”, defende. A dopagem, acrescenta, “rouba momentos únicos das carreiras”, uma vez que a desclassificação de atletas medalhados por usarem substâncias proibidas não devolve a verdade das vitórias dos atletas “limpos”.

Os atletas da Comissão agirão como embaixadores junto dos atletas de alta competição, participando também em acções educativas. Nas grandes manifestações desportivas (Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e Europeus), procurarão acompanhar os atletas e recolher opiniões.

Com a selecção de Rosa Mota passam a ser dois os portugueses na AMA, depois de Luís Horta (director do Laboratório de Análises e Dopagem) ter assumido a função de presidente da Subcomissão de Acreditação de Laboratórios e relator junto da Comissão de Saúde e Investigação.


Fonte: http://www.lusa.pt

terça-feira, março 22, 2005

Agustina Bessa-Luís doutorada “honoris causa”

A escritora Agustina Bessa-Luís foi hoje doutorada “honoris causa”, pela Universidade do Porto, juntamente com o poeta Eugénio de Andrade. Este doutoramento foi justificado pelo facto de os escritores serem "personalidades de prestígio no campo literário, motivadores de vocações e inspiradores de importantes estudos académicos".

No final da cerimónia, a que Eugénio de Andrade não compareceu por motivos de doença, a escritora agradeceu a distinção, apesar de considerar que "não há razão suficiente para que este predicado – o do doutoramento – seja atribuído ao sujeito". Acrescentou mesmo que “embora ame a língua portuguesa não me apliquei a ela como devia. A escolha que recaiu sobre o meu nome depende muito de razões parciais” como “a do trabalho de uma longa carreira de escritora".

Agustina Bessa-Luís, considerada por Arnaldo Saraiva (padrinho de doutoramento) “a mais complexa personalidade feminina da literatura portuguesa”, afirmou ser "uma honra receber o anel do letrado e dar testemunho de uma obra que, sempre imperfeita, é realizada em liberdade de espírito".

A cerimónia serviu para assinalar o 94º aniversário da Universidade do Porto, e a escolha dos escritores distinguidos prendeu-se com o facto de serem, na opinião da reitoria universitária, “dois dos maiores vultos literários da cidade e do país”.

Nascida a 15 de Outubro de 1922, Agustina iniciou-se na literatura aos 26 anos, com a novela "Mundo Fechado", e desde cedo, recebeu elogios de autores já então consagrados como Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro ou Vitorino Nemésio. Tem mantido, desde então, um ritmo de publicações constante.

segunda-feira, março 21, 2005

Mulheres desfilam em Havana pela libertação dos opositores políticos presos

Governo cubano fez saber que não fará “concessões” e não permitirá a libertação dos “mercenários ao serviço dos Estados Unidos”

Trinta mulheres, mães e mulheres de dissidentes presos, desflilaram em Havana pela sua libertação.

Há dois anos a televisão cubana anunciava a prisão de 75 adversários políticos do regime, incluindo três dezenas de jornalistas, escritores, poetas, economistas e activistas cristãos, acusados de “actividades conspirativas”. Estes, acusados em tribunal de “mercenários ao serviço dos estados Unidos”, foram condenados a um total de 1475 anos de prisão e distribuídos pelas penitenciárias, algumas delas a 900 quilómetros das suas casas. Catorze foram libertados entretanto por pressões da Comunidade Internacional.

As “Damas de Branco”, como são conhecidas as mulheres por se vestirem de branco nas suas manifestçaões, entregaram uma carta à União dos Jornalistas em Cuba, pedindo a atenção para a sua causa já que consideram que eles “têm tampões nos ouvidos e andam só por onde o Estado os deixa”.

As prisões em 2003 e o fuzilamento de três cubanos que tentaram fugir da ilha, isolaram ainda mais Cuba da Comunidade Internacional e da União Europeia que adoptou um conjunto de sanções políticas, mas logo concedeu uma oportunidade ao regime de apresentar progressos em matéria de direitos humanos, ao que Havana não tem correspondido.

Felipe Pérez Roque, o chefe da diplomacia cubana, afirmou que o seu país não fará “concessões” e acrescentou que o seu Governo “não permitirá” a formação de organizações, de partidos ou de jornais de oposição, qualificados como “mercenários ao serviço dos Estados Unidos”.

Com efeito, o opositor cubano e promotor do “Projecto Varela”, Oswaldo Payá, acusou o Governo de “violar sistematicamente” os Direitos Humanos, retratando ao mesmo tempo um cenário de horror nas prisões cubanas, numa carta à Comissão dos Direitos do Homem.

“Há prisioneiros que se mutilam e que cortam as veias, que se injectam com petróleo e se suicidam, enforcando-se, para escapar ao horror”.

A Amnistia Internacional pediu, na passada semana, a “libertação imediata” dos 61 opositores políticos ainda presos.

Fonte: Público

Atletas portuguesas conquistam bronze nos Campeonatos Mundiais de crosse

Selecção lusa foi a melhor europeia na competição

A selecção feminina portuguesa venceu a medalha de bronze colectiva na corrida longa dos 33º Campeonatos Mundiais de crosse, em Saint-Galmier, que terminaram ontem.

A equipa portuguesa, já campeã da Europa em Dezembro passado, correspondeu ao título de melhor selecção europeia cortando a meta depois da Etiópia e do Quénia, e subindo ao pódio com uma vantagem de 36 pontos sobre as suas imediatas concorrentes.

O ouro coube, então, à Etiópia que arrecadou 16 pontos, seguindo-se a prata conquistada pelo Quénia (22p), a medalha de bronze para Portugal (86p) e as quarta e quinta classificadas foram o Japão (122p) e os Estados Unidos (122p) respectivamente.

A destacar ainda o nome de Anália Rosa, a melhor europeia na categoria individual ocupando o 15º lugar com 28m05s.

Fonte: Público

sábado, março 19, 2005

Medalha de Ouro de Mérito Cultural para Fernanda Lapa

Fernanda Lapa recebe, hoje em Lisboa, a Medalha de Ouro de Mérito Cultural, pelas mãos do Secretário de Estado da Cultura, na cerimónia de entrega dos Prémios Almada e Revelação Ribeiro da Fonte.

Presidida por Mário Vieira da Silva, a cerimónia decorrerá na sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II, a partir das 23h25.

Fernanda Lapa iniciou a sua carreira artística em 1962, no Teatro dos Alunos Universitários de Lisboa. A peça “Deseja-se Mulher”, de Almada Negreiros, marcou a sua estreia como actriz, na Casa da Comédia, espaço teatral que ajudou a fundar. Em 1972, estreou-se como encenadora trabalhando a mesma peça.

Ao longo do seu percurso como encenadora, Fernanda Lapa tem dirigido peças de tatro, “teatro-dança”, óperas, e desenvolvido acções pedagógicas nas áreas de teatro e cinema.

Em 1979, a actriz foi bolseira da Secretaria de Estado da Cultura, na Polónia, onde trabalhou com Szajna e Zigmunt Hubner, na Escola Superior de Encenação de Varsóvia. No seu currículo constam estágios no Teatro Laboratório de Grotowski, no Teatro Contemporâneo de Wroclaw e no Teatro Stary de Cracóvia.

A direcção artística da “Escola de Mulheres”, de que foi co-fundadora em 1995, é um dos projectos a que se dedica, e cujo objectivo é privilegiar a criação e o trabalho feminino no teatro.

Os prémios Almada e Revelação Ribeiro da Fonte visam distinguir anualmente os artistas, criadores ou intérpretes, estruturas de produção, difusão ou formação que se destaquem nas artes do espectáculo,no panorama artístico nacional.

Fonte: www.publico.clix.pt

Carmen Dolores pretende sair de cena

Prestes a comemorar 60 anos de carreira teatral , a actriz Carmen Dolores regressará hoje ao palco do Teatro Aberto, em Lisboa, embora pondere despedir-se do teatro, para “se poupar e viver ainda uns anos razoavelmente”.

“Cada vez quero menos fazer teatro, porque isso me dá uma angústia muito grande”, enfatizou a actriz, numa entrevista à agência Lusa.

A sua “verdadeira estreia” data de 19 de Outubro de 1938, dia em que, pela mão o irmão António Sarmento, leu os primeiros poemas aos microfones da Rádio Sonora.

A preocupação constante em não parecer repetir personagens já interpretadas, é uma das justificações que avança para não voltar a pisar o palco.

“Tenho uma ternura muito grande pelas minhas personagens, pelas anteriores e pelas futuras e, por isso, tenho receio de as repetir. E sinto que se o fizesse estaria a atraiçoar personagens e público”, desabafou a actriz.

Em 1945, entrou para a companhia “Comediantes de Lisboa” e subiu ao palco do Teatro da Trindade com a peça “A mensageira dos deuses”, de Jean Girandoux.

No cinema, Carmen Dolores estreou-se em 1943, interpretando Teresa em “Amor de perdição”, baseado na obra homónima de Camilo Castelo Branco.

“Uma pessoa com muita sorte na vida”, “muito inibida e autocrítica”, assim se define a actriz que afirma ter “sido sempre muito bem tratada e acarinhada pelo público”.

Continuar o seu primeiro volume autobiográfico, intitulado “Retrato inacabado. Memórias” e publicado em 1984, é o desafio a que se propõe, agora que decidiu sair de cena.

Fonte: www.lusa.pt

Prémio Maria Helena Rocha Pereira atribuído pela primeira vez

Instituído pela Fundação Eng. António de Almeida em homenagem à professora de Letras da Universidade de Coimbra, o prémio Doutora Maria Helena da Rocha Pereira, foi ontem entregue à mestre Fernanda Monteiro Vicente. A sessão de entrega decorreu na sala do Senado da Universidade de Coimbra.

Atribuído este ano pela primeira vez, o Prémio distinguiu o trabalho “O Locus Amoenus na Literatura do Renascimento e do Maneirismo, tese de mestrado em Estudos Clássicos, elaborada pela investigadora da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC).

Natural de Resende, Viseu, Fernanda Monteiro Vicente nasceu em 1973. Licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas na FLUC, é, actualmente, professora do ensino secundário em Macedo de Cavaleiros.

O galardão atribuído visa distinguir, anualmente, uma dissertação escrita apresentada nos mestrados da área de estudos Clássicos da FLUC.

O prémio consiste na quantia de 1247 euros, e a tese premiada será publicada numa edição de 750 exemplares, sem encargos para o autor.

Fonte: www.rtp.pt

quarta-feira, março 16, 2005

Reseo elege Directora da Casa da Música

Maria João Antunes, Directora de Educação e Investigação da Casa da Música foi eleita, no passado fim de semana, para o Conselho de Administração da Rede Europeia de Serviços Educativos (Reseo).

A eleição decorreu em Valência (Espanha), durante uma conferência na qual participaram 185 delegados de 26 países.

A Reseo é a única rede internacional de serviços de educação, que, em cooperação com a União Eurpeia, tem como principal objectivo organizar os projectos educacionais entre os mais prestigiados centros musicais eurpeus.

Fonte: http://jn.sapo.pt/2005/03/16/cultura/directora_casa_musica_eleita_para_a_.html

Lídia Jorge distinguida com "Pena de Camilo"

Lídia Jorge foi distinguida, ontem, pelo Famafest - VII Festival de Cinema e Vídeo de Vila Nova de Famalicão com o troféu "Pena de Camilo". A escritora é um dos elementos do júri deste festival que termina no próximo domingo.

Nascida em Faro (1946), Lídia Jorge licenciou-se em Literaturas Românicas e já leccionou em Angola. Actualmente, é professora universitária em Lisboa e colabora com diversos jornais e revistas.

Das suas principais obras literárias destacam-se "O Dia dos Prodígios" (1980), "O Cais das Merendas" (1982), "Notícia da Cidade Silvestre" (1984), "A Última Dona" (1992), "A Instrumentalina" (1992), "O Jardim sem Limites" (1995), "Marido e outros Contos" (1997), "O Vale da Paixão" (1998), "Três Passagens rente ao Índico" (1998), "O Vento assobiando nas Gruas" (2003).

Não é a primeira vez que Lídia Jorge é distinguida, uma vez que já recebeu o Grande prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio Jean Monet, e o Prémio Ricardo Malheiro, entre outros.

Recentemente, o seu romance "O Vale da Paixão" foi traduzido para hebraico.

Fonte: http://www.rtp.pt/index.php?article=160921&visual=16

domingo, março 13, 2005

Simone sublinha importância de intercâmbio cultural entre Portugal e Brasil

A cantora brasileira Simone afirmou, em declarações à agência Lusa, que “devia haver mais intercâmbio, como acontecia umas décadas atrás quando iam ao Brasil as companhias de teatro português”.

Simone relembrou o sucesso que Amália Rodrigues e Francisco José alcançaram no Brasil, definindo a fadista como “absolutamente maravilhosa”.

“Na realidade conheço pouco da música portuguesa, e é pena, pois há muita coisa boa”, revelou a cantora que já gravou com Eugénia de Mello e Castro.

A intérprete encontra-se em Portugal, para promover o seu novo álbum intitulado “Baiana de gema”, produzido por Ivan Lins, e que conta com a participação de Pedro Jóia.

Simone actua hoje no Coliseu do Porto e subirá, amanhã, ao palco do Coliseu de Lisboa.

A cantora, que visita o nosso país pela segunda vez este ano, qualificou o público português de “maravilhoso”, “respeitoso” e “quente”.

Fonte: http://www.lusa.pt

Jacinta surpreende no Braga Jazz

Com o auditório do Parque de Exposições de Braga praticamente lotado, Jacinta iniciou o primeiro concerto da sexta edição do BragaJazz, com “Sophisticated lady”.

A cantora surpreendeu os presentes com um repertório diferente do esperado. Um concerto de jazz puro e duro e a participação de um quarteto de músicos caracterizam a actuação da intérprete.

A doçura vocal da cantora portuguesa foi acompanhada pela bateria de André Sousa Machado, o contrabaixo de Rodrigo Monteiro, o piano trepidante de Diogo Vida e a irreverência do jovem saxofonista José Pedro Coelho.

“Farta de cantar sempre Bessie Smith”, Jacinta revelou que, actualmente, a sua aposta “passa por cantar um jazz mais puro” e “voltar às vozes tradicionais”.

O BragaJazz, festival bracarense que encerrou ontem, é um evento que anima a cidade em vários domínios culturais que se estendem para além da vertente musical.

Fonte: http://jn.sapo.pt/2005/03/12/

sábado, março 12, 2005

Dicionário no feminino

O primeiro “Dicionário no feminino nos séculos XIX-XX” foi publicado pelo Centro de Estudos sobre a Mulher e pela Editora Livros do Horizonte, no passado dia 07, em Lisboa. A obra visa evocar a intervenção de várias mulheres que contribuíram para alterar a condição feminina em Portugal, mas cujo mérito foi esquecido.

Ao longo de 950 páginas e cerca de 3000 entradas, o dicionário apresenta a biografia de centenas de mulheres que intervieram activamente a nível intelectual , associativo, político, educativo ou literário, sobretudo na época da Primeira República (1910-1926) e do Estado Novo (1926-1974).

“A ideia é dar a conhecer o mundo no feminino”, afirmou a directora do Centro de Estudos sobre a Mulher, Zília Osório de Castro.

“A mulher não foi anónima na História. Mas por vezes acaba por parecer que não existiu.Fomos consideradas sem alma pela Igreja Católica, sem razão pelo racionalismo, seres doentes pelos médicos do século XIX e portanto sempre fomos minimizadas”, sublinha a investigadora.

A obra retrata o percurso de vida de mulheres reais que foram médicas, professoras, escritoras, modistas, domésticas, rainhas, entre tantas outras, que lutaram e deixaram marcos na sociedade, ainda que “em grande parte ocultos ou silenciados pela presença masculina”, explica Zília de Castro.

O dicionário pretende ainda realçar o papel da imprensa e de diversas instituições que se empenharam na causa feminista da primeira metade do século XIX. Zília de Castro salienta a enorme intervenção feminina na sociedade, verificada na altura da Primeira República, nomeadamente ao nível da publicação de artigos de opinião nos jornais, denotando o facto de, actualmente, essa participação ter diminuído. “Os artigos de opinião são praticante todos assinados por homens”, acrescenta.

Mais do que relembrar personalidades conhecidas, os autores desta obra reocuparam-se “sobretudo com nomes que não são tão falados”, afirmou João Esteves, que , tal como Zília de Castro, integra o Faces de Eva, Centro de Estudos sobre a Mulher.


Fontes: http://online.expresso.clix.pt
http://jornal.publico.pt/

Intérprete de música clássica associa cores e sabores a melodias

O caso de uma jovem suíça que associa cores e sabores a notas musicais foi descrito pela primeira vez, recentemente, por Especialistas da Universidade de Zurique na Suíça e documentado na última edição da revista Nature.

Identificada apenas por ES, a jovem, além de ter uma das formas comuns de sinestesia, em que cores se associam aos sons, faz corresponder sabores específicos a diferentes pares e intervalos de notas.

Esta qualidade dá-lhe claras vantagens no mundo da música, permitindo-lhe identificar correctamente intervalos de tons nas melodias, capacidade bastante útil na altura de transcrever o que ouve.

Segundo a intérprete, que começou a aprender música com apenas cinco anos, a capacidade de sinestesia foi determinante na sua paixão pela música, condicionando, aliás, o seu gosto musical.

Fonte: http://diariodigital.sapo.pt/

Martha Stewart libertada

Empresária norte americana deixa a prisão e entra na NBC


Martha Stewart , condenada a cinco meses de prisão por obstrução à justiça, foi libertada no passado dia quatro do presente mês, e já assinou contratos para a apresentação de programas na cadeia de televisão norte-americana NBC.

A famosa empresária norte-americana, de 63 anos, estava detida desde Outubro no estabelecimento prisional de Alderson, na Virgínia.

Após a saída da prisão, deslocou-se imediatamente num avião particular, para a sua propriedade de Bedford, situada no Estado de Nova Iorque, onde ficará em regime de residência vigiada, durante os próximos cinco meses. Os seus movimentos serão controlados através de uma pulseira electrónica, podendo apenas ausentar-se 48 horas por semana, para trabalhar.

Stewart foi considerada culpada de obstrução à justiça, em Março de 2004, por alegadamente ter mentido aos investigadores, no âmbito das investigações das condições de venda das suas 4000 acções da empresa ImClone (do ramo da Biotecnologia), efectuada antes da queda da bolsa em 2001.

Produtora de publicações e de emissões televisivas sobre design de interiores e jardinagem, Martha Stewart apresentará, agora, espaços televisivos na área da cozinha, recepções e decoração.

Fonte: http://diariodigital.sapo.pt/

quinta-feira, março 10, 2005

Mutilação Genital Feminina

A psicóloga Yasmina Gonçalves lança em livro, amanhã, um estudo sobre Mutilação Genital Feminina (MGF). O livro é constituído por uma parte teórica, na qual se explica em que consiste a MGF, e por um inquérito realizado em 2003, junto de profissionais de saúde.

Na perspectiva da autora, este problema deve ser “amplamente” abordado em Portugal - considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como país de risco, devido às comunidades de imigrantes. Contudo, o assunto é pouco debatido e considerado como tabu, sendo que a sociedade em geral desconhece o problema.

As comunidades que praticam este tipo de mutilação argumentam que se trata de uma tradição que deve ser cumprida. Para contrariar esta situação, a psicóloga defende a criação de acções de sensibilização junto dos líderes, “que passam a mensagem”.

"A primeira reacção das pessoas quando se fala deste assunto é de choque por se tratar de um atentado aos direitos humanos, mas temos que perceber o que está por detrás do ritual de aprendizagem (...) que tem também aspectos muito importantes". Neste sentido, a psicóloga realça a importância de “aproveitar o lado bom das tradições e mudar o lado negativo, que, no que diz respeito à Mutilação Genital Feminina, tem consequências devastadoras para as mulheres e crianças submetidas a esta prática".

O estudo revelou que, num total de 151 respondentes, 6% dos profissionais nunca ouviram falar do problema. Contudo, 15% tinham conhecimento desta prática em Portugal; 17% já assistiram mulheres mutiladas; e a 1% já lhes foi pedido para realizar a mutilação genital.

A investigação revela ainda a lista dos países onde a MGF atinge um maior número de mulheres e crianças: Djibuti e Somália (98%), Etiópia e Serra Leoa (90%), Sudão (89%), e o Egipto, a Gâmbia e o Mali (80 por cento).

A mutilação genital feminina afecta cerca de dois milhões de raparigas por ano. Entre 100 e 130 milhões de mulheres já foram submetidas à MGF, a maioria sem qualquer anestesia ou instrumentos esterilizados.

Fonte: www.rtp.pt

Mulheres assumem posições conservadoras

Uma investigação realizada pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa demonstrou que mais de 80% das mulheres portuguesas não procura repartir de igual modo as tarefas domésticas com o companheiro. O estudo, intitulado "Famílias no Portugal Contemporâneo" foi realizado entre 1997 e 2005.

A partir da década de 80, assistiu-se a uma crescente "privatização dos comportamentos familiares". As mulheres passaram a dar cada vez menos importância "a factores de regulação externa", entre os quais a pressão das normas instituídas para o casamento. Tem-se vindo a verificar, desde então, um fortalecimento de um modelo de casamento "companheirista", acompanhado por uma maior aceitação do divórcio e por uma maior adesão à igualdade conjugal.

Contudo, e apesar desta crescente modernização, a investigação revela que existe uma "proporção considerável de mulheres" que assume posições conservadoras no que respeita aos "valores da conjugalidade". Cerca de um terço caracteriza o divórcio como sendo "muito difícil", e uma em cada cinco considera que a igualdade em termos profissionais é "indesejável".

Cada vez mais, as mulheres procuram conciliar "o desejável e o possível", aquilo que desejam e aquilo que procuram concretizar.

Segundo os investigadores, esta questão da igualdade assume um papel importante no desgaste de alguns aspectos institucionais do casamento.

Fonte: http://sic.sapo.pt/

domingo, março 06, 2005

Naide Gomes é campeã da Europa

A atleta portuguesa recebeu, este domingo, a medalha de ouro da competição de salto em comprimento dos Europeus de pista coberta de Madrid.

De acordo com a agência France Press, a medalha de ouro foi atribuída a Naide Gomes após um salto de 6,70 metros, acrescentando 10 centímetros ao recorde nacional obtido na véspera da final. A grega Stiliani Pilatou sagrou-se vice-campeã (6,64), enquanto a romena Adina Anton (6,59) e a alemã Bianca Kappler- que não terá a melhor marca oficial- receberam ambas a medalha de bronze.

O insólito ocorreu no segundo dia dos Campeonatos Europeus de pista coberta, que terminam hoje, na prova mais aguardada pelos portugueses. Naide Gomes, que liderava o concurso até ao último ensaio, viu a marca de 6,96m ser atribuída à alemã Kappler, medição que mereceu protestos imediatos por parte da comitiva portuguesa e de outras delegações presentes, tendo o júri admitido o erro. A própria atleta germânica admitiu não merecer o título de campeã da Europa, atribuindo a marca (6,96) a um erro de inserção.

Face a esta situação, e após visionar as gravações de vídeo e atendendo aos inúmeros protestos de vários atletas participantes no evento, o juíz da prova de saltos, Simon Iglésias Gutierrez, conclui ser “impossível” a atribuição de uma marca definitiva a Kappler. Obedecendo aos regulamentos, e dado que a atleta “dispões de menos um ensaio que os restantes concorrentes”, o júri concordou atribuir-lhe uma nova tentativa, caso esta concordasse. No entanto, a atleta negou-se a saltar alegando que a falta de concorrência prejudicaria a sua prova.

Esta recusa levou a organização a atribuir duas medalhas de bronze e a premiar Naide Gomes com a medalha de ouro.

A atleta portuguesa, campeã mundial de pentatlo, é, assim, coroada rainha do salto em comprimento do Velho Continente.

Fontes: http://diariodigital.sapo.pt
http://jn.sapo.pt/2005/03/06

Mulheres são as maiores vítimas de desemprego

Portugal é um dos países da União Europeia cuja percentagem de desemprego feminino é mais elevada.

A poucos dias de se comemorar o 30º aniversário do Dia Internacional da Mulher, dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística divulgam que em 2003 - antes da entrada dos 10 novos membros para a U.E. - a taxa de participação no mercado feminino das portuguesas, era de 65,6%. Em contrapartida, a taxa de actividade masculina portuguesa atingia os 78,5%.

Diversos estudos já realizados revelam que, apesar do aumento da participação da mulher no mercado de trabalho, o sexo feminino continua a ocupar posições menos favoráveis ao nível das profissões, salários e desemprego.

De acordo com os dados divulgados pelo Eurostat, em 2004, em Portugal, a taxa de desemprego feminino era de 7,6% , enquanto que o sexo masculino apresentava uma taxa de 5,8%.


A situação social da União Europeia também não é animadora. Segundo um relatório apresentado pela eurodeputada Ilda Figueiredo, mais de metade dos desempregados na U.E. são do sexo feminino.

O documento, que denuncia a situação das mulheres no mundo laboral, revela que, das 192,8 milhões de pessoas empregadas na Europa em 2003, apenas 43,6% pertencem ao sexo feminino. Salienta, ainda, que apenas uma em cada três mulheres exercia funções a tempo inteiro e em empregos permanentes.

Nesse mesmo ano, a taxa de emprego das mulheres era de 55% enquanto que a taxa de emprego masculino rondava os 71%, o que evidencia profundas desigualdades no mercado de trabalho.

Face a este diagnóstico critico da situação laboral na Europa, a eurodeputada comunista defende a introdução de medidas eficazes como o “rendimento mínimo vital”.
Ilda Figueiredo critica, também, a insuficiência de “serviços de apoio à família, designadamente para a guarda de crianças, de forma a ser possível conciliar vida familiar e profissional”.

Fontes :http://www.portugaldiario.iol.pt/
http://diariodigital.sapo.pt/

Cientista portuguesa premiada internacionalmente

Paula Ravasco foi, recentemente, distinguida por um estudo pioneiro sobre o impacto da alimentação nos doentes com cancro. A cerimónia de entrega do prémio “Eminent Scientist of the Year 2004 & Millenium Golden International Award”, atribuído à cientista portuguesa, realizar-se-á no próximo dia 18, no Instituto de Medicina Molecular (IMM).

Concedido pela associação internacional Research Promotion Council, este galardão destina-se a premiar os cientistas pela importância e efeitos dos trabalhos publicados.

Os resultados do estudo realizado pela cientista portuguesa sustentam que uma nutrição adequada têm efeitos importantes nos tratamentos, atenuando os sintomas. Comecei por estudar o impacto e peso da nutrição nos doentes com cancro, como afecta a sua qualidade de vida, a sua sintomatologia, em comparação com outras variáveis”, explicou a cientista e nutricionista.

A investigação foi realizada em ambiente clínico, com doentes do serviço de radioterapia do Hospital de Santa Maria – onde a cientista exerce funções- que mantém colaboração com o IMM.

Paula Ravasco sublinha a importância de uma nutrição adequada “à doença e à pessoa”, frisando que a nutrição tem que ser integrada no tratamento global dos doentes vítimas de cancro.

Várias revistas científicas internacionais, nomeadamente a “Clinical Oncology”, “Clinical Nutrition” e “Head and Neack”, publicaram já os resultados desta investigação.


Fonte: Público (04-03-05)

quinta-feira, março 03, 2005

Arbitragem de futebol feminino

Entre 7 e 15 de Março, realizar-se-á, no Algarve, um “workshop” de arbitragem de futebol no feminino; formação semelhante à dos árbitros pré-seleccionados para o Mundial Alemanha 2006.

Serão 23 as mulheres árbitro e 14 assistentes de seis Confederações Mundiais a participar nesta actividade, que inclui preparação física e técnica.

A ausência de árbitros internacionais femininos portugueses, prende-se com “a falta de apostas claras que os sucessivos conselhos de arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol têm feito” neste sector, lamenta a Associação Portuguesa de Árbitros. Esta defende, ainda, o investimento dos Conselhos de Arbitragem Distritais em quadros nacionais próprios que permitam a ascensão das “senhoras de apito” à terceira categoria e seguintes patamares.

Sem isto, segundo a APAF, “não se poderão esperar grandes resultados”.

Fonte: www.lusa.pt

quarta-feira, março 02, 2005

" O pavão negro"

A obra com este nome, garantiu à escritora Ana Haterly o Prémio da Crítica 2003, da Associação Portuguesa dos Críticos Literários (APCL).
A poeta, autora de "Itinerários" e de "A casa das musas", recebe um prémio que, mais do que "galardoar a obra completa de um escritor a pretexto da publicação de um livro", pretende ser um " prémio de consagração", como explica Liberto Cruz, presidente da APCL.
O primério só foi atribuído agora, uma vez que esta associação, fundada a partir de secção portuguesa da Associação Internacional dos Críticos Literários, se constitui recentemente.
A cerimónia de entrega, não tem, ainda, data marcada.
Em 2002, este mesmo prémio foi atribuído a João Rui de Sousa e António Baptista-Bastos; tendo já sido atribuído, também, a escritores como Miguel Torga, José Cardoso Pires, Sophia de Mello Breyner e David Mourão-Ferreira.


Fonte: http://jn.sapo.pt

Violência doméstica

A violência doméstica mata mais mulheres do que o cancro da mama, e não escolhe cor, faixa etária ou estrato social. Todos os meses morrem em Portugal cerca de 5 mulheres, sendo que mais de 1/3 foi assassinada pelo (ex)companheiro. Segundo um estudo realizado em 2002, 82% dos suspeitos são do sexo masculino e 85% das vitimas são mulheres.

Na Europa, uma em cada cinco mulheres é vítima de agressões domésticas, pelo menos uma vez na vida.

A agressão física não é a única forma de violência, uma vez que as mulheres podem ser vítimas de intimação, ameaças, privação económica, agressões psicológicas e sexuais. Considera-se como violência doméstica toda a violência física, sexual ou psicológica. Apesar de ser considerada como crime público, muitas vítimas não denunciam por vergonha, embora a maioria tenha medo.

"Em casa e na comunidade, em tempo de guerra e de paz, milhões de mulheres e raparigas são espancadas, violadas, mutiladas e mortas com inpunidade". Contudo, as mulheres continuam a a sofrer, em alguns dos casos, por não receberem a protecção e ajuda de que necessitam.

Fonte: http://www.amnistia-internacional.pt/

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Discriminação-actividades femininas mal remuneradas

A discriminação salarial é uma realidade. Segundo dados do Eurostat, na U.E., os salários auferidos pelos homens são mais elevados. Os números apresentados revelam que em 2003, as mulheres portuguesas recebiam menos 9% por cada hora de trabalho, relativamente ao valor ganho pelos homens. Apesar deste resultado, Portugal é, ainda assim, o segundo Estado membro da U.E., onde a diferença salarial entre homens e mulheres é menor.

A evolução no sentido da iguladade salarial não tem sido entusiasmante, pelo que a média de diferenciação em Portugal caiu apenas de 10% em 1994, para os 9% em 2003.

Como afirma Maria Odete Filipe, do Departamento de Igualdade da CGTP, "as mulheres não têm acesso a todas as profissões e as actividades predominantemente masculinas são mais bem remuneradas".

A discriminação é, também, visível a nível hierárquico. A grande maiora dos cargos de chefia e de direcção são ocupados por homens. Um relatório europeu sobre a igualdade dos sexos, divulgado a semana passada, revela que nas 50 maiores empresas públicas portuguesas, os corpos dirigentes eram, no ano transacto, maioritariamente constituídos por elementos do sexo masculino (94%), contra os 6% ocupados por mulheres.

Paula Esteves, coordenadora da Comissão de Mulheres da UGT, sublinha a importância da assinatura de contratos colectivos de trabalho, como salvaguarda da igualdade salarial. A alteração da mentalidades, quer de empregadores como também dos próprios trabalhadores, é fundamental para a clarificação e consciencialização dos direitos vigentes.

Face a esta situação, a União Europeia já se comprometeu a reduzir substancialmente a diferenciação patente, até 2010.

Fonte: http://jn.sapo.pt/2005/02/20

Maria Bethânia homenageia Vinícius de Moraes

Na comemoração dos 40 anos de carreira, Maria Bethânia lança album de homenagem ao poeta, falecido em 1980.
"Que falta você me faz" é o album que contém "todos os jeitos de Vinícius: namorador, conquistador, maravilhoso, um charme puro", do "menino, brincalhão, poeta com a mágoa do mundo, amador, um homem generosíssimo nos ensinando que não tem graça viver sem amor", afirma cantora.
O objectivo foi criar um "reportório que tivesse algo de dramaturgia", aproveitar a obra de Vinícius, a maior parte trabalhada pela Bossa Nova e interpretá-la, "exactamente porque sou mais intérprete que cantora", explica.
O album reune 15 temas, 14 deles da autoria de Vinícius de Moraes, e conta também com a colaboração da pianista portuguesa Maraia João Pires, no acompanhamento de um dos temas: "Modinha".
Fonte: www.lusa.pt

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

Lúcia Jimenez Almendros vence Tivoli Arade Ladies Open

A tenista espanhola Lúcia Almendros venceu, no passado Domingo, o Tivoli Arade Ladies Open, prova internacional de ténis, organizado pelo Clube de Ténis de Portimão e Rocha, a contar para a classificação mundial profissional. A tenista derrotou a inglesa Rebecca Llewelly, pelos parciais de 7/6 e 6/4.

O equilíbrio pautou este encontro entre as duas jogadoras de 19 anos.

Com esta vitória, Lúcia Almendros conquistou o segundo título da sua carreira. A tenista venceu o seu primeiro torneio na prova dos 10 mil metros de Pontevedra (Espanha), em 2004, época em que se qualificou para outras finais, em Alcobaça (prova em que perdeu frente a Neuza Silva), em Vigo (onde defrontou Frederica Piedade) e Mollerusa. No campeonato de Vale do Lobo, perdeu na primeira ronda do "qualifying" em 2003 e, na época seguinte, foi afastada na última ronda.

Na cerimónia de entrega de prémios, a jogadora demonstrou estar muito contente com a vitória alcançada e elogiou o trabalho e empenho da organização da prova. A tenista não se esqueceu do público presente na final, agradecendo o seu apoio.

No desfecho do torneio, que distribuiu um total de 10.000 dólares (7.654 euros) em prémios monetários, Plínio Ferrão - director da prova- explicitou a satisfação da organização afirmando "não poderíamos ter ambicionado melhor final para o torneio, pois tivemos bom tempo, muito público, que encheu por completo as bancadas do campo central e um jogo à altura, muito bem disputado de resultado final imprevisivel".

Fontes: http://www.diario-online.com/noticias/noticia.php?id=44479
http://www.rtp.pt/index.php?article=156110&visual=16

Colombiana desaparecida há três anos

Ingrid Betancourt, ex-candidata à presidência da Colômbia, desapareceu há precisamente três anos. A colombiana foi raptada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

O marido, Juan Carlos Lecompte, que esteve em Paris para apresentar o seu livro "Em nome de Ingrid" afirma que "cada vez que há uma tentativa de negociação, o Governo anula-a".

Lecompte diz ainda que "se a Imprensa colombiana fizesse uma campanha exigindo do Governo e da Guerrilha uma solução humanitária para o problema dos sequestrados, estou certo que teria resultados".

Desde o início do ano já morreram 80 soldados colombianos, apesar do presidente Alvaro Uribe considerar que na Colômbia não há guerra.

http://jn.sapo.pt/2005/02/22/mundo/ingrid_betancourt_raptada_tres_anos.html

Sandra Dee - morreu a actriz graciosa

Sandra Dee, ídolo dos adolescentes norte-americanos nas décadas de 50-60, faleceu no Sábado passado, num hospital de Los Angeles, devido a doença renal e pneumonia.
A actriz, cujo verdadeiro nome é Alexandra Zuck, nasceu em 1942 em Bayonne, New Jersey, e iniciou a sua carreira como modelo aos 12 anos. Em 1957, estreou-se no drama romântico "Until They Sail", da autoria de Robert Wise.
Na comédia romântica "The Reluctant Debutant", de Vincent Minnelli, Sandra Dee interpretou o seu primeiro grande papel no cinema. Um dos seus maiores sucessos foi a participação em "Imitation of Life", de Douglas Sirk. Em 1959, a acrtiz integrou o elenco de "A Summer Place" e de "Gidget".
No mesmo ano em que casou com Bobby Darin (1960), contracenou com o marido no filme "Come September". Participou ainda em "Tammy, Tell Me True" (1961), "Tammy and the Doctor" e "Take Her, She´s Mine" (1963), interpretando-o sempre papéis de adolescente.
No filme "The Dunwich Horror" (1970), a actriz desempenhou o seu último papel como protagonista.

Fonte: http://jornal.publico.pt/noticias.asp?a=2005&m=02&d=22&id=8189&sid=852

terça-feira, fevereiro 22, 2005

Construção civil não é só para homens

Na Associação Social e Cultural da Terceira Idade e do Autodidacta de Aveiro (ASCTIAA) encontram-se, neste momento, oito mulheres a frequentar o curso de construção civil.

Apesar de não terem sido mal recebidas, a sua presença provocou alguma desconfiança nos homens.

O formador de prática real, Ivan Coutinho, afirma que elas "trabalham tanto ou mais que os homens", e que, apesar de eles terem mais força, "na organização de trabalho e na realização de muitas tarefas, elas são melhores".

Quanto ao mercado de trabalho, Ivan Coutinho considera que "talvez ainda seja cedo para os patrões as aceitarem com facilidade".

http://64.233.183.104/search?q=cache:si9u1Dbe08gJ:www.jn.pt/textos/out40510.asp+mulheres+nas+obras&hl=pt-PT

Discriminação contra as mulheres encoraja a violência

Teve lugar em Manama, no Bahrein, um seminário sobre discriminação contra as mulheres nas monarquias do Golfo, com vista à pressão dos países da região para a promulgação de leis “incriminando a violência contra as mulheres”. Defensores dos Direitos do Homem e activistas insurgiram-se a favor de legislação própria para a violência contra as mulheres.

Dina Al-Maamoun, uma responsável da Amnistia Internacional, que co-organizou o seminário, juntamente com organizações não governamentais (ONG) locais, afirmou que "os países do Conselho de Cooperação do Golfo não devem esperar muito tempo para fazer face ao fenómeno da violência e da discriminação contra a mulheres, ancorada nestes países". Esta responsável salientou a existência duma estreita ligação entre a discriminação e a violência contra as mulheres, não só no Golfo, como no Mundo inteiro. Na sua opinião, a mulher que não trabalha e que não é financeiramente independente, fica mais exposta à violência.

De acordo com o activista saudita Jaafar Al-Chaieb, a “cultura geral dominante no Golfo rebaixa a mulher. A discriminação e a violência resultam desta cultura que justifica e legitima a violência contra as mulheres”.

"Na Arábia Saudita, o Governo adoptou leis a favor das mulheres, mas essa legislação tornou-se letra morta por causa das reservas e reticências de ordens religiosas e social”. "A ausência de ONG de defesa dos direitos das mulheres joga um papel suplementar no reforço da violência. A polícia procura resolver os conflitos de violência contra as mulheres de forma amigável para que não sejam levados à justiça".

Foram referidos, durante o seminário, sinais de mudança na Arábia, impulsionados por militantes em luta pela sua libertação (contra vozes conservadoras). O papel crescente da mulher na economia saudita, em mutação assume-se como responsável por essas mudanças.

A “educação dos homens”foi defendida, por activistas sauditas, como forma de ajudar as mulheres.

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Aborto clandestino leva aos hospitais três mulheres por dia

Em 2003, mais de mil mulheres (cerca de 3 por dia) deram entrada nos hospitais portugueses devido a abortos clandestinos. Os dados fazem parte do relatório da Direcção Geral de Saúde (DGS), divulgado no seminário "Os jovens e a sexualidade", promovido pela Gulbenkian, no mês passado.

Do estudo conclui-se ainda que, actualmente, as mulheres recorrem a certas drogas, como o misoprostol, visto serem mais fáceis de utilizar e menos arriscadas. Antigamente, o meio mais utilizado eram as agulhas.

Não é fácil determinar os casos que não se enquadram na lei, pois não é possível provar que o aborto não foi espontâneo quando não se encontram evidências químicas ou mecânicas.

A lei portuguesa reconhece a ilicitude do aborto em situações excepcionais, tais como a malformação fetal, o risco de morte da mãe e a violação.

Fonte: Público

"Maior velocista cega do mundo de todos os tempos"

Ádria Rocha dos Santos é o nome da velocista que conquistou em Atenas, nos últimos Jogos Paraolímpicos, a medalha de ouro.
Entrou no atletismo em 1987, no instituto São Rafael (escola de Belo Horizonte para deficientes visuais). Actualmente encontra-se a viver e a treinar em Joinville (SC).
Apesar de ter perdido a visão ao longo da vida (devido a uma retinose pigmentar e estigmatismo de nascença), a sua forte determinação faz com que seja considerada pelos companheiros como um fenómeno do atletismo.
Esta medalha vem somar-se às já conquistadas em Jogos anteriores: duas em Sydney, nos 100m e 200m, e a outra em Barcelona, nos 100m; assim como a uma série de resultados internacionais.

Fonte: http://www.sdv.pt

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Zita Seabra suspende funções na Bertrand

Zita Seabra, directora editorial da Bertrand Editora e da Quetzal Editores, suspendeu as funções executivas que desempenhava nas referidas empresas, para se dedicar à política.
A cabeça de lista do PSD por Coimbra tomou esta decisão no princípio do mês aquando o início da sua participação na campanha política.
Caso seja eleita deputada nas eleições legislativas a realizar no próximo Domingo, Zita Seabra poderá regressar ao grupo no fim do mandato. Não se prevê nenhuma nomeação para o lugar que ocupava. O pelouro editorial ficará a cargo de Paula Nascimento, nas áreas de romance histórico, biografia e ensaio, e de Teresa Coelho, que encarregar-se-á das áreas de ficção, poesia e juvenil.
A decisão de Zita Seabra foi anunciada pelo Presidente de Administração das empresas, José Matoso.

Fonte: http://dn.sapo.pt/2005/02/17/artes/zita

quinta-feira, fevereiro 17, 2005

Jornalista raptada no Iraque pede ajuda

Giuliana Sgrena implorou, ontem, a retirada das tropas italianas do Iraque e pediu ajuda aos italianos para a sua libertação. "Façam qualquer coisa por mim, façam pressão sobre o Governo. A minha vida depende de vocês", suplicou a jornalista.

Porém, no mesmo dia em que as primeiras imagens da repórter; desde o seu rapto a 4 de Fevereiro; são divulgadas pelas televisões, o Senado de Roma aprovou a permanência do contingente italiano no Iraque.

O Chefe de Governo, Silvio Berlusconi, considera que "abandonar o Iraque agora seria uma traição das esperanças dos iraquianos". Roberto Calderoli, ministro das Reformas, sublinha o valor da missão de paz ,"não apenas para a democratização do Iraque, mas também para lutar contra o terrorismo islamista". "É evidente que os terroristas querem influenciar a política italiana, declarou Calderoli.

No vídeo divulgado, Sgrena, jornalista do jornal "Il Manifesto", aparece sozinha e pede repetidamente ajuda. "É preciso pôr fim à ocupação, a situação aqui é intolerável, as crianças morrem, as mulheres são violentadas, é preciso retirar as tropas", roga a repórter. E acrescenta "Ninguém deve entrar no Iraque agora, mesmo jornalistas. Eles não querem cá estrangeiros".

http://jornal.publico.pt/2005/02/17/Mundo/l05.html
http://dn.sapo.pt/2005/02/17/

Projecto analisa a representação das mulheres e homens nas notícias

No âmbito do “ Projecto de Monitorização Global dos Média 2005”, cinco investigadores e duas finalistas do curso de Jornalismo da Universidade de Coimbra analisaram a representação das mulheres e homens nas notícias veiculadas pelos órgãos de comunicação social nacionais, durante o dia de ontem.

Desenvolvido pela Associação Mundial para as Comunicações Cristãs, o projecto conta com a colaboração de 116 países de todo o mundo, e prevê a divulgação e elaboração de um relatório global ainda sem data marcada.

Maria João Silveirinha, docente do Instituto de Estudos Jornalísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, marca a estreia de Portugal neste projecto e coordena a equipa de investigação responsável pela análise qualitativa e quantitativa de toda a informação recolhida segundo um conjunto padronizado de instrumentos de recolha e sistematização dos dados.

Os alvos da investigação foram os jornais nacionais da RTP1, SIC e TVI, os noticiários da TSF, Antena 1 e Rádio Renascença, e as edições dos diários generalistas “Público”, “Jornal de Notícias”, “Diário de Notícias”, “Correio da Manhã” e “24 Horas”. Aqui todo o tipo de histórias, temas e agentes envolvidos foram pontos relevantes nesta análise como, por exemplo, o número de notícias difundidas e seus conteúdos, o maior predomínio de mulheres ou homens e os tipos de histórias.

A codificação da matéria resultante do estudo terá de ser concluída até ao próximo dia 16 de Março e enviada para a sede do projecto em Londres, onde se centraliza e verifica os dados recolhidos de todos os países participantes.

A fase final do projecto caberá à organização não governamental “Media Monitoring Project” que irá proceder à análise e comparação dos dados com os que foram obtidos nos estudos precedentes, realizados em 1995 e 2000.

Fonte: “Público”

terça-feira, fevereiro 15, 2005

"Esmagadora maioria dos novos empresários são mulheres"

“Liderança ocupacional, motivação de equipas, objectividade ou direcção para resultados” são algumas das vantagens, apresentadas pelo coordenador da estratégia nacional de formação de novos empresários e micro-empresas, Joaquim Cunha, que as mulheres têm sobre os homens e que favorecem o empreendorismo.

A resposta do sexo feminino a determinados nichos de mercado e a capacidade de risco a tem sido, segundo o coordenador, surpreendente.

Durante a cerimónia de encerramento do Encontro Regional do Centro do Programa Empreendedoras PME, que reúne cerca de 200 formandas, Joaquim Cunha afirmou que “daqui a uns anos vamos ter que ter programas específicos para homens”.

Os projectos apresentados incluem “ATL+s, clínicas de reabilitação, espaços de ocupação de tempos livres, oficinas, indústrias”, entre outras propostas.

Este programa, que prevê formação específica, estudos de viabilidade dos projectos e apoio financeiro inicial, com acompanhamento técnico e se dirige a mulheres que queiram criar o seu próprio emprego, apesar da grande adesão, tem encontrado dificuldades, nomeadamente a falta de espaços de apoio aos projectos. “Centros de apoio ou incubadoras onde estas empresas se possam consolidar numa fase inicial.
O auto-emprego e a criação de micro-empresas foram apresentados, por Joaquim Cunha, como forma de combate à tendência de deslocação das grandes empresas para países de mão-de-obra barata e consequente desemprego, e nesse sentido foi lançado o desafio aos partidos para uma maior aposta “neste tipo de projectos”.


Fonte: http://www.rtp.pt

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

Missionária norte-americana assassinada

Dorothy Stang, missionária católica norte-americana, foi assassinada a tiros no passado Sábado, na cidade de Anapu, no Estado do Pará, região amazónica do Brasil. A missionária de 73 anos foi baleada na cabeça e no tórax.

Segundo declarações do secretário nacional de Direitos Humanos, o ministro Nilmário Miranda, uma testemunha, que se encontra sob protecção policial, identificou como responsáveis pela morte da missionária dois conhecidos “pistoleiros” da região.

Na última semana, Dorothy Stang reuniu-se com o ministro Nilmário Miranda, e informou-o das ameaças de morte recebidas por várias pessoas da região. A missionária, que tinha também sido alvo de ameaças ao longo dos últimos seis meses, denunciou, ainda, o facto de alguns fazendeiros e madeireiros terem invadido uma área daquele estado brasileiro e desalojado alguns residentes.

Dorothy Stang integrava a Ordem das Irmãs de Notre Dame de Namur, congregação católica internacional que agrupa mais de duas mil mulheres que se dedicam à actividade pastoral nos cinco continentes.

Com o intuito de proteger o ambiente, a missionária pretendia incentivar o desenvolvimento sustentável, trabalhando com as comunidades e movimentos sociais na Amazónia. Desde 1972, desenvolveu projectos sustentáveis para a geração de emprego e reflorestamento em áreas degradadas. A missionária comandava o Projecto de Desenvolvimento Sustentado (PDS) em Anapu numa área autorizada pelo Instituo Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Em 2004, foi-lhe atribuído o Prémio José Carlos Castro, criado pela secção Paraense da Ordem dos Advogados do Brasil, para homenagear os defensores dos direitos humanos. A Assembleia Legislativa do Estado distingui-a com o título “Cidadã do Pará”.

Há já vários anos que a missionária se preocupava com a violência latifundiária e os crimes ambientais cometidos na região, considerando que estes “estavam fora de controlo”. Devido ao seu empenho na redução dos conflitos fundiários, Dorothy chegou a ser acusada, em 2001, de instigar a violência no município, o que provocou protestos e manifestações de apoio e solidariedade à missionária.

Muriel Saragoussi, secretária de Coordenação da Amazónia Do Ministério de Meio Ambiente, que se encontra em Anapu a acompanhar a ministra Marina Silva relata na cidade se vive um clima de “consternação e tristeza”.
Fontes:

http://jornal.publico.pt/2005/02/14/Sociedade/S82.html
www.lusa.pt
http://ibest.estadao.com.br/nacional/noticias/2005/fev/12/52.htm

Elisabete Tavares estabelece novo recorde na vara

Elisabete Tavares destacou-se na primeira jornada dos Campeonatos de Portugal de pista coberta, iniciados no passado Sábado, em Espinho, ao conseguir um novo recorde nacional do salto com vara.
Aos 24 anos de idade, a atleta melhorou, mais uma vez, o seu máximo nacional obtido em Janeiro, em Paris, ao transpor 4,26m. Com este resultado, atleta sportinguista reconfirmou os mínimos para os Europeus “indoor” de Madrid.


Na prova dos 400m distingui-se Maria do Carmo Tavares, que obteve, também, os mínimo para Madrid, conseguindo o resultado de 53,88s.
A atleta Jéssica Augusto venceu nos 1500m, com 4m16,83s. Outra atleta em evidência foi Severine Cravid que consegui 7,65s na prova dos 60m.
Naide Gomes (Sporting) atingiu 6,40m na prova de Cumprimento.
Na prova de Peso ganhou Teresa Machado (Operário) com 15,51m, enquanto que nos 300m de marcha triunfou Maribel Gonçalves (Marítimo) com o resultado de 12m49,49s.

No Masters do salto com vara de Donetsk, na Ucrânia, a russa Elena Isinbyaeva bateu, ontem, o recorde mundial “indoor”, ultrapassando 4,87m. O novo máximo tem um centímetro mais que o anterior, estabelecido pela mesma atleta a 6 de Março de 2004 em Budapeste.

Fonte: http://jornal.publico.pt/publico/2005/02/13/Desporto/D42.html

Bom desempenho de Sandra Teixeira e Francis Obikwelu em Karlsruhe

Sandra Teixeira e Francis Obikwelu participaram, ontem, no “meeting” de pista coberta realizado em Karlshure, na Alemanha, considerado um dos mais importantes no circuito internacional.
Os atletas portugueses tiveram um prestação regular . Sandra participou na prova de 1500m e atingiu, mais uma vez, os mínimos para os Europeus de Madrid, ao obter o resultado de 4m10,84s. Nesta categoria venceu a polaca Lidia Chojecka , com 4m04,84s, a melhor marca do ano.
Obikwelu alcançou o quinto lugar na final masculina, com 6,59s, ficando a três centésimos do seu recorde nacional obtido no ano transacto, em Atenas. Ronald Pognon sagrou-se vencedor com o extraordinário recorde de 6,45s.


Fonte: http://jornal.publico.pt/2005/02/14/Desporto/D51.html

Morre vidente de Fátima

A irmã Lúcia, mais conhecida como a vidente de Fátima, morreu, ontem à tarde, no Carmelo de Santa Teresa em Coimbra. Com 97 anos, era uma das três crianças que, juntamente com Francisco e Jacinta, afirmaram ter visto Nossa Senhora na Cova da Iria, no início do século passado.
A única sobrevivente dos pastorinhos de Fátima havia recebido, em Julho de 2004, a visita de Mel Gibson. O realizador d' "A Paixão de Cristo", que retrata as últimas 12 horas da vida de Cristo, entregou-lhe um DVD do filme.
A morte da irmã Lúcia foi notícia em diversos órgãos de comunicação social de todo o mundo.
O primeiro-ministro Pedro Santana Lopes assinalou terça-feira (amanhã), como dia de luto nacional.

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

A volta ao mundo de Ellen MacArthur

A velejadora britânica Ellen MacArthur completou, no passado dia 8, a volta ao mundo em veleiro, estabelecendo um novo recorde mundial. A viagem, que demorou cerca de 71 dias, teve início na ilha francesa d' Ouessant e terminou no cabo Lizard (sudoeste de Inglaterra). MacArthur, bateu a anterior marca (que pertencia a Francis Joyon) por 1 dia, 14 horas, 18 minutos e 33 segundos.
Este acontecimente mereceu especial destaque mediático, pelo facto de ser uma mulher a vencer este desafio. Recorde-se que a velejadora, de 28 anos, realizou a viagem sozinha. "Foi uma viagem absolutamente inacreditável, quer física quer mentalmente. Vai demorar algum tempo a recuperar", afirmou Ellen.

http://www.oninet.pt/

quarta-feira, fevereiro 09, 2005

“Publique” sobe ao palco do Rivoli

“Publique”, a mais recente criação da coreógrafa Mathilde Monnier, sobe ao palco do Rivoli Teatro Municipal no próximo dia 17 de Fevereiro.

Após um percurso pautado por criações cujos intervenientes eram maioritariamente masculinos, Monnier apresenta uma peça feminina tendo como suporte a obra musical de Polly Jean Harvey.

A fusão da temática musical com os movimentos e as deslocações que emergem da dança tocam invariavelmente o prazer de observar e de ser observado. Os olhares sobrepostos das bailarinas funcionam como uma expressão de espelho do espectador.

“Publique” é também um espectáculo que trata a empatia entre o bailarino e o público.

“Distância e Proximidade” na Culturgest

A primeira exposição da Culturgest do Porto é uma mostra de fotografia contemporânea alemã que parte dos trabalhos de Hernd e Hilla Becher, um casal de fotográfos que tem vindo a desenvolver um trabalho conhecido pelo seu distanciamento e frieza dada a sua inventariação de formas e construção de tipologias, com o primado dado aos valores formais e estruturais da imagem fotográfica na vizinhança de uma estética minimalista.

A mostra, em exposição até 2 de Abril, inclui também o trabalho de oito fotógrafos, ex-alunos do casal Becher na Kunstakademie de Düsseldorf, alguns dos quais nomes inequívocos da fotografia comtemporânea: Andreas Gursky, Candida Höfer, Thomas Struth e Thomas Ruff.

sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Jornalista italiana raptada no Iraque

Giuliana Sgrena, enviada do jornal II Manifesto, foi sequestrada em Bagdad. A jornalista italiana dirigia-se para a mesquita sunita de Al-Kastl, quando um grupo de homens armados detiveram o automóvel no qual seguia. Os sequestradores levaram apenas Giuliana consigo, deixando para trás o motorista e o intérprete que a acompanhavam.
Um dos directores do jornal para o qual trabalhava, Gabriele Pólo explica que: "Giuliana telefonou a dizer que estava bem e cinco minutos depois o seu intérprete voltou a ligar, para dizer que ela tinha sido sequestrada nas imediações de uma mesquita".
Barbara Schiavulli, jornalista enviada pelo rádio GRT ao Iraque, afirmou que: "Partilho o quarto com Giuliana. Ela telefonou-me durante o sequestro. Ouvi tiros, (...) e gritei pelo seu nome, mas ela não respondeu".
Giuliana Sgrena trabalhava há vários anos em temas relacionados com o fundamentalismo islâmico e já havia estado no Afeganistão como enviada do canal informativo RAINews.

Fonte: Lusa

quinta-feira, fevereiro 03, 2005

Doula?

Doula é uma palavra de origem grega que designa uma mulher que serve a outra. Actualmente, o termo refere-se àquela que acompanha uma parturiente durante o período perinatal, ou seja, é uma mulher que está com a futura mãe durante o parto.
O objectivo fundamental das doulas é assegurar a satisfação das necessidades básicas da mulher grávida durante o parto, promovendo a sua auto-confiança e prestando serviços no período pós-parto. Para tal, é necessário que a doula estabeleça uma relação de confiança com a mulher grávida.
Dos benefícios da presença de uma doula, comprovados por vários estudos, destacam-se a diminuição (significativa) do número de intervenções médicas desnecessárias e o aumento da satisfação das mulheres relativamente à experiência do parto.
O curso para doulas é constituído por formação em fisiologia do parto, nutrição, práticas hospitalares e primeiros socorros em obstretícia.

http://pwp.netcabo.pt/rosamacedo/index.html

segunda-feira, janeiro 31, 2005

Serena Williams vence Open da Austrália

Serena Williams sagrou-se campeã da centésima edição do Open da Austrália, ao derrotar a compatriota Lindsay Davenport, em três sets, pelos parciais 2-6, 6-3 e 6-0. Na final decorrida em Melbourne no passado sábado, a tenista pôs término a um período de cerca de ano e meio sem vitórias.
Ainda em 2004, e apesar de afectada por alguns problemas físicos, a tenista de 23 anos havia conquistado um lugar entre as 10 melhores tenistas do circuito WTA (Women's Tennis Association).
Este foi o sétimo título do Grand Slam ganho por Serena Williams, o segundo em Melbourne desde 2003.

Fonte: Lusa

quinta-feira, janeiro 27, 2005

Andrea Levy premiada com Whitbread

"O que poderia ter sido didáctico e moralista é na verdade hilariante, comovente, humano e deslumbrante. É difícil pensar que alguém não vai gostar do livro".
Júri do Whitbread Award


A escritora inglesa Andrea Levy venceu o Prémio Whitbread Award, um dos mais importantes e prestigiados troféus literários britânicos, pela sua obra "Small Island". Considerada o "Livro do Ano", esta obra relata as histórias de soldados jamaicanos que se integraram na sociedade inglesa, no pós II Guerra Mundial.

Trevor McDonald, presidente do júri, elogia a obra, afirmando que é "uma grande história, brilhantemente contada, de uma época da história inglesa sobre a qual muitas pessoas parecem ter poucos conhecimentos".

"Small Island" tinha já sido premiado; em inícios de Janeiro; sendo o "Chosen Romance 2004"; e, em Junho passado, conquistou o "Orange Prize", galardão que distingue a melhor obra literária feminina do ano.

Com os prémios, Andrea Levy embolsou cerca de 30 mil libras (aproximadamente 43 mil euros) que, segundo a escritora, lhe permitirão escrever outro livro.

O prémio Whitbread é atribuído desde 1971, e os livros concorrentes são obras de escritores residentes no Reino Unido e na Irlanda. Este troféu conta com júris para cada uma das categorias iniciais: Romance, Primeiro Romance, Biografia, Poesia e Infantil. Depois de decidido o vencedor de cada uma das categorias, o júri atribui o grande prémio a um dos cinco finalistas.

Filha de pais Jamaicanos, Levy nasceu em Londres, em 1956,e aí cresceu. A publicação do seu primeiro romance, intitulado "Every Light in the House Burning", data de 1994. Agora, com 49 anos, a escritora é consagrada pelo seu quarto romance.



Fonte: - http:// jornal. Publico.pt/2005/01/27/Cultura/index/html
- Diário de Notícias- 27/01/05

Confirmação de Condoleezza Rice como Secretária de Estado dos EUA

Condoleezza Rice foi, ontem, confirmada como Secretária de Estado dos EUA, sendo alvo de duras críticas dos Democratas, relativamente ao seu envolvimento na definição da estratégia que conduziu à guerra no Iraque, baseada na (possível) existência de armas de destruição maciça naquele país.

A nova secretária de Estado será a primeira negra e a segunda mulher a ocupar este cargo. Rice conseguiu 85 votos a favor e 13 votos contra.

Apesar das críticas dos Democratas, George W. Bush reafirma a confiança em Condoleeza Rice, salientando a admiração que o país e os seus aliados nutrem pela nova secretária de Estado. O presidente dos EUA sublinha a importância e contribuição do trabalho de Rice para a melhoria das relações diplomáticas dos EUA, e em particular da situação do Médio Oriente "Se não prosseguirmos a nossa política, o Médio Oriente continuará a ser um caldeirão de ódio e ressentimento que alimentará aqueles que têm uma visão do mundo oposta à nossa", declarou. Neste sentido, Bush não hesita ao afirmar que Condoleezza Rice "fará um bom trabalho".

Porém, Mark Dayton acusa George W. Bush, de mentir "com frequência na administração". O senador democrata do Minnesota afirma que o Presidente Bush "Mente ao Congresso, mente aos vários comités e mente ao povo americano. É errado, é imoral e sobretudo é muito, muito perigoso".

O senador Evan Bayh ataca Rice e atribui-lhe a responsabilidade pelo insucesso no Iraque. "A lista de erros é longa, e poderia ter sido evitada se a doutora Rice e a sua administração tivessem ouvido o Congresso", considera o senador.

Bill First, líder dos Republicanos , concorda com a escolha de Condoleezza Rice para Secretária de Estado. First defende que "os regimes totalitários têm de ser travados. A proliferação de armas perigosas tem de ser travada. E as organizações terroristas têm de ser destruídas", e entende que Rice possui as qualidades necessárias para concretizar esses objectivos.


Fonte: http://jornal.publico.pt/2005/01/27/Mundo/l02.html

quarta-feira, janeiro 26, 2005

Yulia Timoshenko, nova primeira-ministra iraquiana

Viktor Iuchtchenko nomeou, na passada segunda feira, Yulia Timoshenko para o cargo de chefe de Governo da Ucrânia. Timoshenko exercerá as funções de primeira-ministra interina até que o Parlamento aprove a sua nomeação.
Nascida em 1960, Yulia Timoshenko iniciou a sua carreira como economista, sendo considerada pelos especialistas como uma das melhores gestoras de crises, a nível mundial.
Timoshenko é uma das principais lideres da oposição, e foi um dos cérebros da "revolução laranja" - a campanha de protestos populares contra a fraude eleitoral das últimas legislativas, que conduziu à repetição das mesmas.
Devido ao radicalismo político que tem vindo a demonstrar ao longo da sua carreira, os críticos temem que, uma vez no poder, Yulia se tente vingar da perseguição política e judicial da qual foi alvo (levada a cabo pelo regime recentemente derrotado).

http://www.tymoshenko.com.ua/eng/index/

terça-feira, janeiro 25, 2005

Ana Elias vence prémio Milénio Sagres

Ana Elias, um novo nome para a música portuguesa

Após concluir o mestrado em carrilhão, na Bélgica, a carrilhanista venceu, recentemente, o prémio Milénio Sagres, graças à sua ideia completamente inovadora de construir um carrilhão itinerante. Esta é, de facto, uma das suas prioridades actuais, revelando-se uma ideia revolucionária, não apenas em Portugal, como no resto do mundo, pois, tal como afirma Ana Elias "existem apenas doze destes instrumentos".

Apesar da sua paixão por este instrumento pouco vulgar, a sua vida nem sempre esteve ligada ao carrilhão. Frequentou o Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudou diversos instrumentos, nomeadamente violino, piano, bateria, guitarra, entre outros. Porém, confessa "cheguei a tocar 13 instrumentos diferentes sem saber qual seria o meu..." O contacto com o carrilhão surgiu quando tomou conhecimento de um curso livre, no mesmo Instituto que frequentara. Sentiu curiosidade, inscreveu-se e frequentou o curso.

Uma proposta levou-a a rumar à Bélgica para frequentar a Escola Real de Carrilhão JefDenyn, onde se formou. No final do curso fez um “master” em carrilhão e, após defender a sua tese, regressou a Portugal.

Actualmente, Ana Elias mantém-se empenhada na construção do Carrilhão da Igreja dos Pastorinhos, em Alverca, e é também uma das responsáveis pela criação da primeira Escola de Carrilhão da Península Ibérica.

A carrilhanista revela o seu desejo de divulgar este instrumento e de "levá-lo ao público". Neste sentido, pretende que o "carrilhão seja tocado ao ar livre, em salas de espectáculo e todo o tipo de música : pop, rock, fado, clássica... a duas ou quatro mãos, sozinho ou com outros instrumentos".

Fascinada pela "originalidade do instrumento" e pela "envolvência do som", mostra-se bastante empolgada com a criação do carrilhão itinerante. Crê, aliás, que este instrumento raro animará a cidade de Alverca, podendo até atrair estrangeiros, através dos festivais de música que pretende organizar. A realização de um congresso de carrilhão, é também um dos seus projectos. "Ideias não faltam", remata Ana Elias.


Fonte : Revista “Xis” nº. 292 – 22-01-2005

quarta-feira, janeiro 19, 2005

Virginia Mayo abandona o "palco da vida"

A actriz que brilhou no cinema americano nas décadas de 40 e 50 faleceu ontem, perto de Los Angeles. Aos 84 anos a actriz não resistiu a uma paragem cardíaca, após uma pneumonia.
A longa carreira da actriz começou em 1942, quando Samuel Goldwyn,da Metro Goldwyn-Meyer se encantou com o seu talento.
Virginia Mayo participou em mais de cinquenta filmes, de entre ao quais se destacam “The Best Years of Our Lifes” (1946), de William Wyler; “The Secret Life of Walter Mitty” (1947), de Norman Z. McLeod, e “White Heat” (1949) de Raoul Walsh.
A loura, que “ilunimou” os palcos, contracenou com actores como Bob Hope, Kirk Douglas, Paul Newman e Ronald Reagan.
Em 1990, a actriz afastou-se dos palcos e entregou-se a outras das suas paixões, a pintura. Porém, em 1997, participou em “The Man Next Door” de Rod e Spence, que foi, de facto, a sua última prestação cinematográfica.


Fonte : Público, 19-01-2005

Obras de Joana Vasconcelos expostas em Paris

"Se gosto tanto da obra da Joana Vasconcelos, é porque ela tem ao mesmo tempo algo de artes plásticas, algo de lúdico, algo de poético e consegue ter, ainda, uma dimensão social"
Catherine Mathis


A artista Joana Vasconcelos encantou os profissionais franceses ligados à arte, nomeadamente Catherine Mathis, que se revela rendida ao talento da portuguesa. A programadora da galeria de arte "Passade du Désir", em Paris, mostra-se apaixonada pelo trabalho de Joana Vasconcelos, afirmando "Vi o trabalho dela, e em cinco minutos propus-lhe uma exposição", e acrescenta "Foi perceber logo que eu não podia perder esta ocasião de a expor".
A obra da portuguesa fascinou um curador francês, Cédric, que teve oprtunidade de a vislumbrar na exposição do projecto Voyager da ExperimentaDesign, no Terreiro do Paço. Cédric indicou-a aos profissionais da galeria, que não hesitaram em expô-la.
A galeria "Passage do Désir", onde o trabalho da artista poderá ser apreciado, durante os próximos dois meses, acolhe exposições de artes plásticas, fotografia ou vídeo, servindo, também, de palco a desfiles de moda e de galeria a designers. Segundo a artista, as características da galeria, nomeadamente o seu "aspecto arquitéctonico muito próprio", e o imenso espaço disponível, interferiram na escolha das treze obras expostas, que se relacionam "com a própria programação do Passage du Désir", garante Joana Vasconcelos. A artista referiu, a título de exemplo, a peça dos "collants" (Wash and Go), de 1998, e a peça do "Carrossel" (Spin,2001), que é um conjunto de cadeiras de design.
Como consequência desta estreia, a artista recebeu já um convite para uma exposição colectiva em Reims. Obras mais pequenas, mas complementares das expostas na "Passage Du Désir", serão, também expostas no Instituto Camões, em Paris.
Adivinha-se, assim um futuro promissor para a artista portuguesa, pelo que a Comissária da Galeria referida, crê que Joana Vasconcelos "vai chegar muito longe e vai fazer uma belissima carreira".


Fonte : Público, 18-01-2005



Victoria de Los Angeles

Mundo operático perde a sua diva

A ópera está de luto...
Victoria de Los Angeles faleceu no passado Sábado, aos 81 anos, vítima de problemas cardíacos e respiratórios. A cantora, que sofria de bronquite, encontrava-se internada numa Clinica de Barcelona, desde o dia 30 de Dezembro, e estava em estado de coma há vários dias. O eu funeral teve lugar no passado Domingo, na Basílica de Santa Maria del Mar.
A cantora viu o seu talento reconhecido quando ganhou um concurso na Rádio Barcelona.
Em 1941, Victoria de Los Angeles estreia-se num concerto profissional, no Palau de La Música. Quatro anos mais tarde, a cantora estreia-se no teatro lírico, no Liceo de Barcelona, cantando o papel de Condessa na ópera “As Bodas de Fígaro”, de Mozart.
O Concurso Internacional de Genebra, do qual se sagrou vencedora, abriu-lhe as portas para o mundo, permitindo que a sua frescura da sua voz fosse apreciada e reconhecida internacionalmente.
A cantora encantou o mundo com a grandeza da sua voz, ao longo de cinco décadas. Vinte e duas óperas, quarenta álbuns com recitais a solo e compilações diversas, integram o seu currículo.A crítica internacional premiou, por diversas vezes, as suas interpretações, nomeadamente, as duas versões de “Madame Butterfly”, de Puccini, “Manon” e “Werther”, de Massenet. Na sua longa carreira destacam-se, também, as interpretações memoráveis de “La Bohème”, de Puccini e “Carmen”, de Bizet.
Victoria de Los Angeles notabilizou-se, sobretudo, pelas interpretações de compositores franceses e espanhóis, pelo que é vista como “embaixadora da cultura espanhola no mundo”.
O seu magnífico talento valeu-lhe diversas condecorações, nomeadamente a Medalha de Ouro do Liceo de Barcelona, o Prémio Nacional de Música e o Grande Prémio da Academia Francesa. Victoria recebeu, ainda, a Medalha de Ouro da Cidade de Barcelona e o Prémio para as Artes da Fundação Príncipe das Astúrias.
Em 1998, após a morte de um dos seus filhos, Victoria de Los Angeles afastou-se dos palcos que, outrora, encheu de vida.

Fonte : Público, 16-01-2005


quarta-feira, janeiro 12, 2005

"12 mulheres e 1 cadela", de Inês Pedrosa

"É uma peça para comover, rir e pensar."

A escritora Inês Pedrosa estreia-se no Teatro da Trindade, no próximo mês de Março, com "12 mulheres e uma cadela".
Dirigida por São José Lapa, Lucinda Loureiro e Ângela Pinto, a peça fala sobre a "condição feminina", sendo constituída por "uma série de histórias de mulheres".
Inês Pedrosa, nascida em Coimbra (1962), licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa. Integrou a equipa fundadora do jornal "Independente" e foi directora da revista "Marie Claire".
Apesar de ter iniciado a sua carreira no jornalismo, a escritora conta com obras publicadas nas áreas da literatura infantil, romance, biografia e poesia.

Fonte: http://siconline.sapo.pt/

sexta-feira, janeiro 07, 2005

Futebol no feminino

Maribel Dominguez causou polémica nas últimas semanas ao tentar integrar o Celaya (clube de futebol masculino da II Divisão mexicana). "Marigol", como é conhecida, pretendia tornar-se na primeira mulher a alinhar por uma equipa masculina, uma vez que no México não existe campeonato para equipas femininas.
A jogadora, de 27 anos, conta no seu currículo com 42 golos marcados em 43 jogos e com a participação nos Jogos Olímpicos de Atenas (com a selecção feminina do México).
A Federação Mexicana consultou a FIFA sobre esta possibilidade de Maribel ser contratada por uma equipa de futebol profissional masculino. Na resposta, publicada em comunicado, a FIFA afirma que "é caracterizada no futebol de ligas e nas partidas entre seleções a existência de competições específicas para ambos os sexos e as leis do jogo, juntamente com as regras da Fifa, não fornecem quaisquer exceções". O Comité Executivo foca ainda o facto de existir "uma clara separação entre o futebol de homens e mulheres".

http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/esportes/1832501-1833000/1832698/1832698_1.xml

J.K. Rowling e o "Príncipe Mestiço"

J. K. Rowling divulgou recentemente que terminou o sexto livro de aventuras do jovem feiticeiro Harry Potter. O livro, que se intitula "Harry Potter e o Príncipe Mestiço" ("Harry Potter and the Half-Blood Prince", no original), será lançado no próximo mês de Julho, nos Estados Unidos e no Reino Unido.
Espera-se que este livro alcance um sucesso semelhante aos anteriores, que venderam cerca de 300 milhões de exemplares em todo o mundo.
Detentora de uma fortuna superior à da rainha Isabel II (aproximadamente 400 milhões de dólares), J. K. Rowling é considerada a mulher mais rica do Reino Unido.
A escritora, que residiu no Porto na época em que era casada com um jornalista português, afirma que está "mais feliz do que nunca com o resultado final".

Fonte: Correio da Manhã

sexta-feira, dezembro 10, 2004

Linda B. Buck

A americana Linda B. Buck recebe o nobel da medicina, hoje, dia de aniversário da morte de Alfred Nobel, o fundador dos galardões, em Estocolmo. Este resulta de um estudo sobre aquele a que apelidam “o mais enigmático dos nossos sentidos” – o olfacto.

A estudiosa, em parceria com um outro americano, Richard Alex, “descobriu uma grande família de genes constituída por cerca de 1000 genes diferentes (3% dos nossos genes) que está na origem de um número equivalente de receptores olfactivos”, afirma a Fundação Nobel. No fundo, “esclareceram como é que o nosso olfacto funciona”.
A investigação destes dois estudiosos contribuiu para se perceber porque razão os odores são percepcionados de forma diferente por cada indivíduo. A resposta está, como muitas, nos genes: “há uma grande família de genes que intervém na nossa capacidade de sentir os diferentes odores (…) esses genes têm muitas variáveis, que tornam o olfacto individual”, explicita o geneticista português Carolino Monteiro.

Assim se explica o facto de um mesmo cheiro, por exemplo, o de um perfume, ser percepcionado de forma diferente por cada pessoa, a sensibilidade a determinados odores e, até, «por que somos atraídos por um parceiro e não por outro».
«A nossa sensibilidade para o diferente contribui para a biodiversidade, daí que não tenhamos atracção por um cheiro que tenha as mesmas semelhanças genéticas (…) Trata-se de uma questão de sobrevivência – quanto mais diferentes formos, maiores probabilidades temos», nota de forma esclarecedora o geneticista.

O Nobel, um dos primeiros a ser entregue, será no valor de 1,1 milhões de euros.