sábado, março 12, 2005

Dicionário no feminino

O primeiro “Dicionário no feminino nos séculos XIX-XX” foi publicado pelo Centro de Estudos sobre a Mulher e pela Editora Livros do Horizonte, no passado dia 07, em Lisboa. A obra visa evocar a intervenção de várias mulheres que contribuíram para alterar a condição feminina em Portugal, mas cujo mérito foi esquecido.

Ao longo de 950 páginas e cerca de 3000 entradas, o dicionário apresenta a biografia de centenas de mulheres que intervieram activamente a nível intelectual , associativo, político, educativo ou literário, sobretudo na época da Primeira República (1910-1926) e do Estado Novo (1926-1974).

“A ideia é dar a conhecer o mundo no feminino”, afirmou a directora do Centro de Estudos sobre a Mulher, Zília Osório de Castro.

“A mulher não foi anónima na História. Mas por vezes acaba por parecer que não existiu.Fomos consideradas sem alma pela Igreja Católica, sem razão pelo racionalismo, seres doentes pelos médicos do século XIX e portanto sempre fomos minimizadas”, sublinha a investigadora.

A obra retrata o percurso de vida de mulheres reais que foram médicas, professoras, escritoras, modistas, domésticas, rainhas, entre tantas outras, que lutaram e deixaram marcos na sociedade, ainda que “em grande parte ocultos ou silenciados pela presença masculina”, explica Zília de Castro.

O dicionário pretende ainda realçar o papel da imprensa e de diversas instituições que se empenharam na causa feminista da primeira metade do século XIX. Zília de Castro salienta a enorme intervenção feminina na sociedade, verificada na altura da Primeira República, nomeadamente ao nível da publicação de artigos de opinião nos jornais, denotando o facto de, actualmente, essa participação ter diminuído. “Os artigos de opinião são praticante todos assinados por homens”, acrescenta.

Mais do que relembrar personalidades conhecidas, os autores desta obra reocuparam-se “sobretudo com nomes que não são tão falados”, afirmou João Esteves, que , tal como Zília de Castro, integra o Faces de Eva, Centro de Estudos sobre a Mulher.


Fontes: http://online.expresso.clix.pt
http://jornal.publico.pt/