quinta-feira, fevereiro 17, 2005

Jornalista raptada no Iraque pede ajuda

Giuliana Sgrena implorou, ontem, a retirada das tropas italianas do Iraque e pediu ajuda aos italianos para a sua libertação. "Façam qualquer coisa por mim, façam pressão sobre o Governo. A minha vida depende de vocês", suplicou a jornalista.

Porém, no mesmo dia em que as primeiras imagens da repórter; desde o seu rapto a 4 de Fevereiro; são divulgadas pelas televisões, o Senado de Roma aprovou a permanência do contingente italiano no Iraque.

O Chefe de Governo, Silvio Berlusconi, considera que "abandonar o Iraque agora seria uma traição das esperanças dos iraquianos". Roberto Calderoli, ministro das Reformas, sublinha o valor da missão de paz ,"não apenas para a democratização do Iraque, mas também para lutar contra o terrorismo islamista". "É evidente que os terroristas querem influenciar a política italiana, declarou Calderoli.

No vídeo divulgado, Sgrena, jornalista do jornal "Il Manifesto", aparece sozinha e pede repetidamente ajuda. "É preciso pôr fim à ocupação, a situação aqui é intolerável, as crianças morrem, as mulheres são violentadas, é preciso retirar as tropas", roga a repórter. E acrescenta "Ninguém deve entrar no Iraque agora, mesmo jornalistas. Eles não querem cá estrangeiros".

http://jornal.publico.pt/2005/02/17/Mundo/l05.html
http://dn.sapo.pt/2005/02/17/