domingo, novembro 28, 2004

Paula Martinho da Silva

A Presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida fala de biomédica e dos problemas inerentes a esta questão


Paula Martinho da Silva. Um nome, uma peça fundamental no “puzzle” do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), ao qual preside. O seu interesse pelos progressos científicos não é recente. O nascimento da primeira “bebé proveta” – Luise Brown, nascida no Reino Unido- despertou a sua curiosidade.

A possibilidade da ciência médica ajudar muitos casais a superar o drama da infertilidade e esterilidade fascinou esta advogada que, em 1986, publicou o seu primeiro livro intitulado “ A procriação Artificial- Aspectos Jurídicos”.

Paula deixou-se "contagiar" pela bioética e pelas matérias que esta abarca. Dada a dificuldade de encontrar uma definição para este conceito, a advogada identifica a bioética com "a ciência de humanidade, sobre o futuro em relação ao progresso cientifico". Considera-a um "saber transdisciplinar de vocação universal, em que o conhecimento, o progresso mas também o poder, a inquietação, o diálogo e a intolerância se revestem de um enorme significado".

A Presidente do CNECV afirma que um dos objectivos desta "ciência" é operar uma alteração de consciência e promover uma real participação do Homem no seu futuro e uso do planeta.

Inerente à Bioética, encontra-se a Prociação Medicamente Assistida (PMA), sobre a qual, Paula Martinho clama há muitos anos a criação de legislação, salientando a sua necessidade e urgência. Indignada com a sua ausência, Paula explica que "a lei a ser criada deve estabelecer os princípios, os limites e disposições específicos relativamente a alguns pontos". Todavia, denota a importância de esta ser suficientemente aberta para permitir a utilização das novas técnicas, que entretanto vão surgir, desde que salvaguardem os direitos do ser humano.

Apaixonada pelas implicações jurídicas que a Procriação Medicamente Assistida levanta, esta mulher não abdica das outras prioridades que regem a sua vida, nomeadamente a profissão e a família.

Determinação e organização são duas características que definem bem esta mulher de 44 anos.

Fonte: Notícias Magazine