sexta-feira, novembro 19, 2004

Mulheres jornalistas na cobertura da guerra

Um inquérito realizado pelo International News Safety Institute (INSI), dirigido a 150 mulheres que trabalham na “linha da frente” das guerras, revelou que “um grande número” das repórteres foram vítimas de “ataques físicos ou intimidações, durante a cobertura de conflitos”
Das 31 jornalistas que responderam ao inquérito, mais de 55% queixaram-se de terem sido vítimas de assédio sexual e quase 7% referiram mesmo o abuso sexual. Pronunciando-se relativamente às condições de segurança, estas mulheres acham que não devem ser tratadas de forma diferente dos colegas homens.
O resultado deste inquérito foi apresentado, ontem, durante a conferência da News Xchange, a decorrer em Vilamoura, onde estão reunidos à volta de 500 profissionais dos principais canais de televisão mundial. Um dos temas centrais dos debates foi as condições de trabalho dos jornalistas na cobertura de conflitos armados, nomeadamente na guerra do Iraque.

Fonte: http://www.publico.pt